sábado, 30 de abril de 2016

TREM DE R$ 20 MILHÕES É ENCONTRADO ENVELOPADO HÁ MAIS DE UMA ANO EM SP

Trem comprado há mais de um ano e que custou cerca de R$20 milhões aos cofres públicos do estado de São Paulo está parado e envelopado

(Imagem: Pragmatismo Político)


Agência Democratize

Nesta quarta-feira (27) os deputados Carlos Giannazi eRaul Marcelo, do PSOL, acompanhados do Sindicato dos Metroviários, realizaram uma visita ao pátio Jabaquara do Metrô, com o objetivo de investigar graves denúncias de improbidade administrativa.

Durante a visita, ambos flagraram um trem parado e completamente coberto. Foi averiguado que ele teria sido comprado no começo do ano passado, pelo valor de R$20 milhões de reais.

Não se sabe o motivo exato pelo qual o trem se encontre “encostado” no pátio, porém ambos os deputados afirmaram que devem acionar o Ministério Público e o Tribunal de Contas do Estado para que seja feita uma rigorosa apuração desse caso.


No final do ano passado, a Promotoria acusou quatro ex-dirigentes do Metrô de São Paulo por improbidade: Sérgio Avelleda, Nelson Scaglione, Sérgio Brasil e José Jorge Fagali.

A acusação ocorre por conta de um suposto ato de improbidade administrativa na contratação sem licitação, em 2005, da MGE Equipamentos Ferroviários — uma das empresas apontadas como integrante do cartel metroferroviário que atuou em São Paulo entre 1998 e 2008, durante os governos tucanos de Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin.

O promotor também pediu condenação solidária dos acusados ao ressarcimento integral do dano material causado, correspondente à devolução integral de todos os valores despendidos pelo Metrô — cerca de R$7,3 milhões corrigidos.

“Não só se submeteu ao procedimento licitatório viciado. A ele concorreu e o fez de má-fé, esperando captar vantagem indevida. Evidente que auferiu lucro considerável proveniente dos cofres públicos, mas com desfecho de máculas insanáveis. No mínimo, assumiu o risco de arcar com a indubitável responsabilidade de ressarcir integralmente os cofres públicos, se e quando tivesse sua conduta descoberta”, afirmou o promotor de Justiça responsável pela ação, Otávio Ferreira Garcia, da 4ª Vara da Fazenda Pública da Capital.

Nenhum comentário: