quinta-feira, 21 de setembro de 2017

TÚMULO É VIOLADO EM CEMITÉRIO DE CURITIBA E SUSPEITA DE NECROFILIA

Polícia Científica faz perícia no local e até o momento ninguém foi preso pelo crime

Por Elizangela Jubanski e Djalma Malaquias 



O caixão de uma mulher de 59 anos enterrada na tarde desta terça-feira (19), no Cemitério Municipal do Boqueirão, em Curitiba, foi violado. O corpo foi vítima de necrofilia e a Polícia Científica foi acionada para realizar a perícia no local. A descoberta aconteceu na manhã de hoje (20), por volta das 11 horas.



Para a Banda B, o funcionário do cemitério contou que os pedreiros que foram ao local pela manhã encontraram o caixão aberto e o corpo da mulher com indícios de necrofilia. “Eles vieram para abrir uma sepultura e colocar no ossário e viram. O corpo estava aberto, jogado fora do caixão. Uma coisa muito feia, nossa”, contou Machado.

Segundo o funcionário, outro caso parecido também aconteceu no ano passado. “Nem vivo, nem morto, falta segurança para todos aqui”, reclamou.

A Guarda Municipal foi a primeira a chegar ao local e fazer o isolamento da área. O guarda Adilson confirmou à Banda B que houve crime de vilipêndio e que a necrofilia será investigada. “Aparentemente, eles fizeram sexo com o cadáver. Mas, agora, a confirmação apenas a perícia, que está no local, para confirmar. Primordialmente, vão ver essa violação. Ela está sem a roupa debaixo, sem calcinhas, com as pernas mexidas, uma cena difícil de ver essa cena”, finalizou.

O corpo está sendo periciado e poderá retornar ao Instituto Médico Legal (IML) de Curitiba para recolhimento de material que auxilie a polícia na investigação.

Portal Banda B

MORADOR DE RUA É MORTO NO BAIRRO BACACHERI


Um homem foi encontrado morto em frente à um comércio na Rua Canadá, no bairro Bacacheri, em Curitiba, nesta terça-feira (19). O corpo estava embaixo de papelão.

De acordo com a Polícia Militar, a vítima é um morador de rua, que foi morto com um ferimento no pescoço. Não há confirmação, porém, de qual arma foi utilizada para cometer o crime. O corpo foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) de Curitiba.

A Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) esteve no local e junto com a equipe de perícia constatou três ferimentos por tiro na vítima que até o momento não foi identificada. O crime teria sido registrado durante a madrugada enquanto a vítima dormia.

Colaboração Daniela Borsuk

Massa News

CÃO COM NECESSIDADES ESPECIAIS VOLTA A ANDAR APÓS CIRURGIA

Sandy não é um cão comum. Ele foi abandonado por seu tutor na Grécia possivelmente por causa de sua condição especial: suas pernas curvadas que fizeram com que sua movimentação e que ele ficasse em pé parecessem um sonho distante


Foto: Mutts in Distress / Facebook

Porém, apesar desses desafios, Sandy permaneceu feliz e, como resultado, cativou os corações de muitos amantes de animais que vivem a milhares de quilômetros de distância, na Inglaterra.

Quando o abrigo para animais Mutts in Distress, na Virgínia (EUA), soube sobre a história de Sandy, eles imediatamente criaram um plano para que ele recuperasse a saúde e tivesse uma chance de lutar, mantendo a esperança de lhe oferecer a oportunidade de andar como qualquer outro cachorro.

Com a ajuda de doadores generosos, que ofereceram centenas de libras, o Mutts in Distress conseguiu dar a Sandy uma nova vida.

Sandy finalmente chegou ao abrigo, e a equipe de veterinários da Cambridge Beehive Companion Care, que realizou as operações de Sandy gratuitamente, se apaixonou por ele instantaneamente.

Foto: Mutts in Distress / Facebook

Antes que qualquer procedimento pudesse ser feito, Sandy precisava ser analisado para determinar “quão gravemente suas pernas foram afetadas”, escreveu o Mutts in Distress.

Ele estava exausto após a viagem e todo o atendimento médico e dormiu não muito tempo depois de seu primeiro raio-x, reportou o One Green Planet.

Felizmente as radiografias de Sandy mostraram alguma esperança e ele foi operado um mês depois. Todos ficaram impressionados com o êxito da primeira cirurgia e em como Sandy saiu dela com uma perna reta.

De acordo com o Mutts in Distress, o veterinário fez um carrinho para ajudá-lo a dar uma volta, mas, aparentemente, o cão não queria “nada disso … determinado a fazer isso por conta própria”.

Foto: Mutts in Distress / Facebook

“Este jovem menino é tão feliz apesar de tudo o que a vida lhe impôs. Apenas incrível”, escreveu o abrigo.

Poucas semanas depois da primeira cirurgia, Sandy foi operado novamente na outra perna.

O Mutts in Distress disse que ele ficou “um pouco desorientado” após a segunda cirurgia e passaria por dois meses de recuperação, incluindo fisioterapia.

No entanto, todos estão mais do que confiantes de que ele irá se superar mais uma vez, já que o cão provou ser um lutador, recusando-se a desistir perante a adversidade.

ANDA Agência de Notícias de Direitos Animais

EX-PASTOR QUE ASSUMIU HOMOSSEXUALIDADE AFIRMA QUE '' CURA GAY NÃO EXISTE''

Ex-pastor chegou a fundar grupo que tinha como objetivo 'tratar' gays e demorou 18 anos para aceitar sua própria homossexualidade. Por todo esse tempo, ele acreditou ter uma doença ou estar cometendo um pecado

O ex-pastor Sérgio Viula


Por mais de dezoito anos o professor de inglês Sérgio Viula, hoje com 48, lutou contra a sua homossexualidade e por muito tempo acreditou ter uma doença ou estar cometendo um pecado. Pastor de uma igreja evangélica, fundou em 1997 junto com mais dois colegas a ONG Movimento Sexualidade Sadia (Moses), que tinha como principal objetivo acolher, tratar e curar gays e lésbicas que buscassem apoio na organização.



Viula era casado e pai de dois filhos – dono de uma família perfeita aos olhos da igreja e dos fiéis. Como pastor e conselheiro, viajava pelo Brasil pregando a cura da homossexualidade, dava palestras, recebia em seu gabinete centenas de gays desesperados em busca de ajuda e prometia curá-los do que ele acreditava ser uma maldição.

Para atrair homossexuais ao Moses, o pastor e outros membros da ONG faziam panfletagem em paradas gay, em portas de boates LGBT e dentro de igrejas evangélicas onde sabiam que havia a presença de gays em sofrimento. “Éramos uma rede social sem Facebook. Em cada palestra que ministrávamos, milhares de pessoas eram alcançadas. Íamos jogando a semente de que havia cura para aquilo”, lembra.

Ao buscarem ajuda na ONG, as pessoas recebiam um livro chamado Deixando o Homossexualismo. Era a leitura de cabeceira, obrigatória para todos. Depois, passavam pelo que Viula chama de “lavagem cerebral”, sendo o primeiro passo se livrar de memórias do passado, como fotos, roupas, presentes ou objetos que trouxessem lembranças da época em que a pessoa teve uma relação homossexual. O segundo passo era fazer com que os gays participassem de orações prolongadas, jejuns, retiros espirituais e várias atividades de doutrinamento. “As pessoas iam em busca de transformação e nosso objetivo era transformá-las”, conta.

O que ninguém sabia, no entanto, era que um dos líderes do Moses e garoto-propaganda da ONG, o jovem que dava palestras dizendo ser ex-gay e que estava noivo de uma mulher, nunca se casou com ela. Outros rapazes que davam testemunhos para a plateia afirmando estar curados, por trás das cortinas corriam ao gabinete de Viula para chorar e dizer que tiveram, sim, recaídas. A plateia também não fazia ideia de que Viula era um gay não assumido e que, nos bastidores das palestras, o desejo por outros homens continuava latente, mesmo ele sendo casado com uma mulher.

“Chegou um dia em que uma das fundadoras do Moses me perguntou se estávamos no caminho certo, pois não víamos resultados. Nós mantínhamos o discurso de que Deus curava e não víamos um testemunho realmente verdadeiro. O que eu via dentro do grupo criado para curar a sexualidade eram pessoas se envolvendo entre si”, afirma o ex-pastor.

Viula ainda tentou por muito tempo se enquadrar como heterossexual. Nascido em uma família tradicional de origem portuguesa e católica fervorosa, cresceu ouvindo que ser gay era pecado. Tornou-se evangélico aos 16 anos, fez teologia, foi missionário e virou pastor. Ele conta que não aceitava a sua condição de ser um homem homossexual. “Eu mesmo me reprimia, escondia os meus desejos, tinha medo”, diz. Viula relata que fundou o Moses buscando uma libertação, passou por atendimentos psicológicos, fez hipnose, até conhecer um psiquiatra que lhe explicou que não havia cura para o problema dele.

“Ele me disse: não existe um comprimido para o que você quer porque você não tem uma doença. Que a minha questão não era de psiquiatria, era de psicanálise e que eu precisava de aceitação”, conta.

Mesmo sabendo que era homossexual, Viula só decidiu se assumir verdadeiramente e abandonar o grupo e o ministério depois de uma viagem a Singapura, em 2000, pela igreja. Lá conheceu um homem com quem se envolveu e, naquele momento, a chave virou.

“Foi ali que eu percebi que vivia me reprimindo, vivia uma vida teatral. Nada daquilo era verdade. Só orar e jejuar não estava adiantando. Quando eu saí do armário definitivamente, dois anos depois dessa viagem, foi um choque. Eu era um pastor dedicado, tinha uma família linda, dois filhos maravilhosos. As pessoas não acreditavam”, conta.

Viula se separou da esposa, contou pessoalmente aos filhos que era gay e se surpreendeu com a reação positiva deles. Com os pais foi um pouco mais difícil, por serem mais conservadores, mas hoje eles aceitam e respeitam. Nesses catorze anos de libertação, Viula teve um relacionamento que durou sete anos e agora está em outro relacionamento há um ano e nove meses. Ele se sente completo e realizado. “Não me arrependi um dia sequer de ter me assumido gay. Sou absolutamente feliz ao lado do meu companheiro e da minha família. Cura gay definitivamente não existe”, afirma.

Fernanda Bassette, Veja

PADRE DIZ QUE TOCAVA PARTE ÍNTIMAS DE ADOLESCENTES PARA '' SANTIFICAÇÃO''

Padre brasileiro preso por estupro afirma que tocava partes íntimas de adolescentes com o intuito de “santificá-las” e “curá-las”. Promotor afirma que número de vítimas do líder religioso é 'inquantificável' 

Sentado, o padre Iran Rodrigo Sousa de Oliveira


Um padre preso no interior de Goiás por abuso sexual e compartilhamento de pornografia infantil confessou, em depoimento ao Ministério Público (MP), a prática em pelo menos cinco casos e atribuiu os atos a um “dom” para “santificar” partes do corpo feminino como rosto, seios, nádegas e vagina.

Segundo o relato do acusado, que atuava em Caiapônia, a 335 quilômetros de Goiânia, o “dom” incluía a possibilidade de reconstituição da virgindade a partir do toque na vagina das vítimas.

O padre Iran Rodrigo Souza de Oliveira foi preso no último dia 16, por determinação da Justiça, a pedido do MP de Goiás. Policiais também cumpriram mandado de busca e apreensão na casa do suspeito na paróquia e recolheram computador, arquivos eletrônicos e celular. O religioso, de 45 anos, prestou depoimento ao promotor Danni Sales Silva, por mais de cinco horas.

“O número de vítimas é inquantificável. Agora tem uma fila de pessoas para dar depoimento. O advogado dele disse que vai levar de 20 a 30 casos de ‘milagres’. Na paróquia, apreendemos vídeo pornográfico, o que mostrava que ele dissimulava a situação de sacerdote, de clérigo, para abusar sexualmente das vítimas”, diz o promotor Danni, responsável pelas investigações.

Primeiro, no depoimento, o padre reconheceu ter trocado mensagens com vítimas via Whatsapp. “Antes de tudo, o depoente gostaria de expor que tem um ‘dom'”, cita a transcrição do depoimento. “Em oração, teve uma inspiração. Em unção percebeu que rosto, seio, nádegas e vagina, tudo faz parte de um mesmo corpo e que é possível a santificação destas áreas específicas do corpo tanto pela oração, quanto pelo toque”, continua.

O toque com as mãos deve ocorrer “dependendo da gravidade física ou espiritual da dor que assola a pessoa”, segundo Iran. Há três anos, conforme o depoimento, o padre identificou que poderia exercer seu “dom particular” por meio do Whatsapp. “Recebia diversos pedidos de intervenção de outras cidades, e decidiu intervir pelo Whatsapp. Quando o pecado dizia respeito a uma relação extraconjugal ou pecado de carne o depoente, por vezes, pedia para ver partes do corpo desnudas, inclusive a vagina aberta porque, assim, poderia dar a benção e a santificação através de uma oração”, registra o termo de declaração ao MP.

O padre não soube dizer em quantas mulheres e adolescentes ele tocou a vagina: “Já interveio por muita gente e não sabe dizer o número.” Essas pessoas tinham “problema de carne”, conforme o religioso, e uma das vítimas precisou ser tocada porque “isso decorre da eucaristia”. “A eucaristia é um mistério pois o pão e o vinho, com a imposição das mãos e a oração, se transformam em corpo e sangue de Cristo. Que por isto o depoente crê que as mãos têm o poder de transmitir a graça pela unção.”

Uma das vítimas havia “pecado” por ter estado com um homem numa festa. Ele buscou o padre para confessar, na paróquia de Caiapônia, sempre conforme o relato dele ao MP. “O depoente perguntou se ela gostaria de receber a benção e santificação e, assim, fez o sinal da cruz tocando os seus olhos, cabeça, coração, seios, vagina. Para esse processo de santificação foi necessário que ficasse pelada”, cita o depoimento. Ele pedia fotos das vítima nua, com o consentimento da mãe, segundo o padre.

No caso de outra vítima, Iran estabeleceu a necessidade de três encontros para se restabelecer a virgindade, na própria paróquia da igreja na cidade, conforme o depoimento. “O depoente tocava na vagina pela parte externa fazendo o sinal da cruz.” Ele negou ter introduzido o pênis na vítima.

O MP suspeita da atuação de um grupo de oração no abuso sexual a vítimas, e questionou Iran sobre a suposta atuação do grupo. “Este grupo reconhece o dom da santificação pelo toque”, disse. No caso de pornografia infantil, o padre reconheceu ter recebido fotos de uma criança de 11 anos nua, “enviadas pela própria mãe da criança”. A menina estava com “fluxo menstrual muito forte e desregulado”, e partiu do padre o pedido das fotos, conforme o depoimento.

A suspeita do MP é que pelo menos uma vítima tinha 14 anos de idade quando houve o abuso. Os crimes investigados são violência sexual mediante fraude, com pena de dois a seis anos de prisão, e adquirir pornografia infantil, com pena de prisão de um a quatro anos.

Advogado do padre, Leonardo Couto Vilela nega que houve abuso sexual. Ele atribui a “fé” o que ocorria na paróquia:

“Os toques não tinham qualquer intenção, não havia qualquer lascívia. A mão ficava espalmada. O padre era a ponte entre a pessoa e Deus, a motivação era religiosa. Ele era um intermediador. Havia inclusive consentimento dos pais”

informações do Jornal O Globo

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

HOUVE CONLUIO ENTRE CONSTRUTORA VALOR E SERVIDORES PARA DESVIO DE RECURSOS PÚBLICOS, EXPLICA


O líder do governo na Assembleia Legislativa, deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB) apresentou nesta terça-feira (19) os processos que comprovam os desvios de recursos para construção de escolas pelas Construtora Valor e as providências adotadas pelo governo do Estado.

Segundo Romanelli, houve um claro conluio entre o proprietário da Construtora Valor e servidores da Sude para desviar recursos públicos. “A análise dos processos de pedidos de aditivos revela que foram feitos cronogramas de obras , medições e relatórios falsos para justificar assinatura de termo aditivo. Posteriormente, a construtora ainda solicitou que fossem feito mais dois aditivos, referentes a prazo, um por 180 dias e outro por 12 meses, justificando que as condições climáticas impediram a realização da obra, embora os relatórios indicassem que mais de 99% da obra estaria concluída- o que era absolutamente falso”, revela Romanelli.

Romanelli analisou o processo referente a Escola Ribeirão Grande, em Campina Grande do Sul mas salientou que o “ modus operandi” era o mesmo em todas as obras."

Cerca de quatro meses depois de assinado o contrato para construção, a construtora solicitava um aditivo, sob o argumento de que as condições do solo eram desfavoráveis . O chefe de fiscalização da Sude dava parecer favorável e anexava medições e documentos forjados. Na sequência, o diretor de Engenharia, Projetos e Orçamentos e o Superintendente da Sude concordava com a necessidade do aditivo”, diz.

Ele explica que a liberação de recursos era realizada com anuência de técnicos, fiscais, diretore superintendente. “Emn relação ao pedido de aditivo, o processo percorreu toda a cadeia de comando, passando pela coordenação de orçamentos, coordenação de fiscalização, diretoria de engenharia, projetos e orçamento, superintendente da Sude,setores de Orçamento, Financeiro, Jurídico e Diretor Geral da Seed, Núcleo Jurídico da Casa Civil, Conselho de Gestão Administrativa e Fiscal. O processo passou por doze instâncias ou profissionais antes de ser assinado pelo governador Beto Richa”, explica .

O líder do governo também detalhou as providências adotadas pela Secretaria de Educação e pelo Governo do Estado para apurar as irregularidades. “ Em 5 de abril o então secretário Fernando Xavier Ferreira determinou a abertura de sindicância. As obras foram todas vistoriadas e constatou-se que não foram executadas. Providências administrativas foram adotadas, com afastamento dos engenheiros e criação de comissão de supervisão da fiscalização. O governador determinou abertura de processo administrativo. 

Os servidores envolvidos foram exonerados e a Procuradoria Geral do Estado ajuizou ações de improbidade administrativa, pleiteando ressarcimento por danos materiais e morais coletivos que superam R$ 41 milhões. O governador também determinou a declaração de inidoneidade da Valor, proibição de contratar com a administração pública por cinco anos, multa de R$ 5 milhões, rescisão dos contratos e nulidade dos termos aditivos”, explicou.

CANTOR DE DUPLA SERTANEJA É PRESO EM OPERAÇÃO CONTRA FALSIFICAÇÃO DE CIGARROS

O alvo da ação policial é uma mega quadrilha de falsificação de cigarros com atuação em todo o país.




Uma operação do Núcleo de Repressão a Crimes Econômicos (Nurce), da Polícia Civil do Paraná, foi deflagrada nesta quarta-feira (20), em quatro estados do Brasil e tem como objetivo cumprir 35 mandados judiciais. O alvo da ação policial é uma mega quadrilha de falsificação de cigarros com atuação em todo o país.

A operação “Sem Filtro” conta com o apoio da Receita Federal e acontece em 10 cidades de quatro estados do Brasil: Paraná, São Paulo, Minas Gerais e Bahia. Mais de 100 policiais civis dos quatro estados cumprem 16 mandados de prisão e outros 19 de busca e apreensão – todos expedidos pela Justiça de Londrina. Um dos mandados de prisão é contra Rafael, da dupla sertaneja Fábio e Rafael.

Entre os alvos de busca e apreensão estão duas fábricas de cigarro, gráficas utilizadas pela quadrilha na atividade criminosa, na residência dos investigados e em uma empresa utilizada para lavagem de dinheiro.


O Nurce pediu ainda o sequestro de R$ 6,5 milhões dos bens do homem apontado como chefe da quadrilha e ainda de 19 veículos utilizados pela organização criminosa – entre eles um ônibus que era utilizado pela dupla sertaneja. A Justiça ainda determinou o bloqueio de seis contas bancárias – duas delas pertencentes a empresas.

Os investigados vão responder pelos crimes contra a saúde pública, organização criminosa e lavagem de dinheiro. O Nurce suspeita que os cigarros fabricados de forma clandestina são revendidos e consumidos em dezenas de estados do país.
Grande operação

Participam da ação, mais de 100 policiais do Nurce, do COPE (Centro de Operações Policiais Especiais), do TIGRE (Tático Integrado Grupo de Repressão Especial), Nuciber (Núcleo de Combate aos Cibercrimes), da DFR (Delegacia de Furtos e Roubos de Curitiba) e da 10ª Subdivisão de Londrina, além de policiais civis de São Paulo, Minas Gerais e Bahia. Ainda acompanham a operação 31 auditores da Receita Federal.

RICHA LIBERA R$ 6,6 MILHÕES PARA OBRAS NO AEROPORTO DE UMUARAMA


O governador Beto Richa autorizou nesta segunda-feira (18) o repasse de R$ 6,6 milhões para reformas no aeroporto Orlando de Carvalho, em Umuarama. Entre as obras previstas estão o recapeamento e a ampliação da pista e a adequação e a ampliação do terminal de embarque e desembarque de passageiros.

“Esse investimento no aeroporto municipal de Umuarama é muito importante porque, além de possibilitar a Umuarama ter voos regulares, vai contribuir para um desenvolvimento mais intenso da cidade e de toda a região Noroeste, que é de suma importância para o Estado. O município está esperando uma linha comercial área faz muito tempo”, disse Richa

Beto Richa lembrou que o Estado está trabalhando em uma série de tratativas para ampliar a oferta de voos em todo o Paraná. Em 2016, foi assinado um protocolo de intenções junto a companhia Azul Linhas Aéreas para implantar o transporte aéreo regular em cidades ainda não atendidas pelo serviço, como Pato Branco, Guarapuava e Umuarama.

O secretário de Infraestrutura e Logística, José Richa Filho, disse que o Estado fez um plano aéreo viário para levantar as necessidades dos aeroportos do Estado. “Estamos conversando com a União, com as administrações municipais e as companhias de transporte aéreo para suprir essas necessidades”, explicou o secretário.

Além de recursos para o aeroporto, o governador também repassou mais R$ 2 milhões para Umuarama, que serão utilizados para a compra de vigas para duas pontes do município e para custeio na área de saúde.

(foto: Jaelson Lucas/ANPr)

AGRONEGÓCIOS E A VOCAÇÃO O PARANÁ, DIZ RATINHO JR





O deputado Ratinho Junior (PSD) voltou a defender o agronegócio como principal indutor da economia paranaense e do país. "A vocação do Brasil é produzir alimento para o mundo. Uma produção que respeita o meio ambiente e a agricultura sustentável, produzindo alimento para todo o planeta", disse Ratinho Junior que destacou ainda a aprovação do novo código florestal em 2012.

"O código florestal colocou novas regras e deu a possibilidade para que o país possa crescer em cima do agronegócio, respeitando o meio-ambiente, fazendo a delimitação de áreas, dando oportunidade para que o agricultor tenha tranquilidade para trabalhar e produzir o alimento", completou.

Segundo Ratinho Junior, os países que conseguiram dar um salto em qualidade, o fizeram quando acharam sua vocação econômica. " É o caso da Alemanha que entendeu que sua vocação é a engenharia. É o caso da Coreia e do Japão que entenderam que a sua vocação econômica era a produção de tecnologia. Os EUA se profissionalizou em engenharia, produção bélica e também no agronegócio", disse.

"Eu tive a oportunidade de estar na China por três vezes e em uma dessas oportunidades, conversei om uma equipe de comércio exterior da China e eles estão fazendo um estudo para que em 2050. Hoje a China já tem 240 milhões de idosos, a população do Brasil, e eles estão preocupados porque em 2050 terão meio bilhão de idosos, essas pessoas terão que ser alimentadas e não vão estar no mercado produtivo. Então o mundo precisa do Brasil e para isso nós precisamos estar organizados", completou.

A AVENTURA SEMIPRESIDENCIALISTA


Valter Carvalho*, Pragmatismo Político

Em regimes democráticos, poucos temas são imunes ao poder de reforma das maiorias governantes legitimadas nas urnas. Em nossa Constituição, os constrangimentos constitucionais ao poder de reforma dos governantes limitam-se às liberdades fundamentais, as cláusulas pétreas, a forma federativa e a divisão tripartite dos poderes.

No entanto, se não há limites legais para além dos temas mencionados, o mesmo não se pode afirmar quanto à legitimidade. Governos democráticos devem, necessariamente, serem responsivos perante cidadãos e eleitores (Dahl, 2005). A autonomia decisória, característica dos governos representativos, esbarra – embora não de forma imperativa –, na necessidade de ajustar suas decisões às demandas e críticas da opinião pública e dos cidadãos (Manin, 1995).

Essa atitude responsiva não tem sido observada no governo de Michel Temer, que sem um mandato para realizar reformas profundas e de efeitos incertos vem, de forma açodada, impondo as à sociedade. Entre as reformas institucionais, além das que alteram o sistema eleitoral (Distritão), a mudança do sistema de governo foi aventada. Dentre as propostas lançadas como “balão de ensaio”, além do parlamentarismo, inclui-se o sistema semipresidencialista, que repercutiu positivamente entre ministros do Supremo Tribunal Federal (Gilmar Mendes e Luís Roberto Barroso) e membros do PSDB. Nesse sentido, devemos perguntar: o semipresidencialismo é um sistema adequado para as condições políticas e sociais do Brasil? A resposta exige um exame mais “técnico” do tema, bem como das condições políticas com as quais se pode pensar sua implantação.

Leia também: Semidemocracia

O sistema semipresidencialismo combina atributos do presidencialismo puro e parlamentarismo puro, adotado hoje em Repúblicas como Portugal, França, Rússia, Ucrânia, Romênia, Egito, etc. Se caracteriza pela eleição direta do presidente, que exerce a chefia de Estado. O presidente tem atribuições importantes, tais como: gerir a política externa, chefiar as forças armadas, nomear funcionárias, vetar leis, etc., poderes que vão além daquelas funções simbólicas como são as de chefe de Estado no parlamentarismo puro – em geral monarcas decorativos.

Por sua vez, é notório que o semipresidencialismo comporta coabitação em termos de poder entre presidente (chefe de Estado) e Primeiro-Ministro (chefe de governo) (Sartori, 2000). Assim, Primeiro-Ministro e presidente têm funções que coexistem e se complementam. É atribuição do presidente nomear o Primeiro-Ministro, que embora possa ser destituído pelo parlamento, por meio do voto de desconfiança, o presidente tem atribuição de dissolver o parlamento. Assim, se no parlamentarismo puro o parlamento tem poder de destituir o governo por meio do voto de desconfiança, no semipresidencialismo há esse poder também, onde o poder de dissolver o parlamento conferido ao presidente é um instrumento de indução à cooperação e estabilidade do governo (impede casuísmos do parlamento).

A principal virtude do semipresidencialismo é que, por ser uma espécie de poder moderador, o presidente não é arremessado no seio do conflito-político partidário, como ocorre no presidencialismo puro. Por essa razão, a maneira do parlamentarismo puro, a solução das crises pode ser alcançada de forma menos dramática e sem riscos institucionais. Normativamente isso parece mais vantajoso, se comparado ao presidencialismo puro, cujo mandato fixo é um empecilho à resolução de impasses. Em outros termos, por se tratar de um sistema com duas cabeças, o semipresidencialismo comporta à coabitação entre os dois chefes (de Estado e de governo). Há riscos de maiorias divididas, como há no presidencialismo puro (Congresso e Executivo). Porém, a resolução das crises de forma rápida, sem os riscos institucionais do impeachment no presidencialismo puro, é possível graças ao poder de formar e demitir governos conferido presidente.

No entanto, modelos normativos, quaisquer que sejam eles, será, necessariamente, mediado pelas condições contextuais – cultura política – que cercam cada país em particular (Alencastro, 1993). Assim, para funcionar a contento, eles não prescindem da adesão e respeito aos seus ritos por parte dos atores políticos em competição.

Portanto, não obstante a coabitação entre presidente e parlamento no semipresidencialismo preservar o presidente do conflito político-partidário, mediante seu poder de formar e demitir governos – solucionando de forma ágil e menos dramática as crises –, não está descartada hipótese em que presidente eleito de forma direta, com agenda própria, munido de poderes relativamente fortes, apresente forte assimetria ideológica com a mediana do Congresso. Neste caso, teremos instalada crises não muito diferentes das que observamos no presidencialismo puro, o que requer muito mais de um presidente do que prescrito pelos modelos normativos.

Por outro lado, se o mandato fixo no presidencialismo puro é acusado de engessar e prolongar as crises, o poder de formar e demitir governos do presidente no semipresidencialismo não nos assegura de que será respeitado em seus ditamos normativos. Em outras palavras, há risco potencial, considerando nossa cultura política, desse poder transformar-se em um gatilho prontamente armado para derrubar governos não alinhados programaticamente com o presidente eleito. Essa hipótese é tanto mais real quando sabemos que uma vez eleito de forma direta por um eleitorado nacional, conservando poderes relativamente fortes, o presidente continuará despertando na nação o sentimento de mudança que sempre caracterizou nossa cultura presidencialista (Lamounier, 1992). Por essa razão, o mandato fixo do presidente no presidencialismo puro, tido como um de seus mais graves defeitos, pode não ser tão ruim assim, dado que constitui um forte incentivo à cooperação, na medida em que apear um governo não será tarefa fácil e sem riscos (Mainwaring e Shugart, Matthew, 1993).

No entanto, sem desprezar as virtudes do semipresidencialismo, urge compreendemos que, mais que reformar instituições – tarefa imprescindível para avançar e consolidar democraticamente o país –, é premente que entre os atores políticos haja crença na democracia enquanto institucionalização da incerteza (Przeworski, 1994). Ou seja, a submissão de todos os interesses à lógica da competição, sob a égide das liberdades básicas – expressão, organização e sufrágio inclusivo. Por incerteza não se deve entender, equivocadamente, império do impossível e imprevisível, mas apenas que o marco institucional deve indicar o que é possível. Assim, para gerar a certeza política necessária à aposta democrática, o marco institucional deve conter estabilidade e regularidade necessárias à ação dos atores no longo prazo. Mais que reformas das instituições, a classe política precisa curvar-se à lei de bronze da democracia, expressa na alternância de poder e no respeito à vontade soberana das urnas.

Não bastasse a proposta (da mesmo forma que o parlamentarismo) nascer com a pecha do casuísmo, é oportuno se perguntar sobre a legitimidade do governo Temer para realizar reformas que regulam o conflito político, sobretudo do sistema de governo, tendo em vista a forma como chegou ao poder. Embora não ilegais, aos olhos da sociedade mais ampla e de parte considerável dos atores políticos, as reformas, sobretudo do sistema de governo, soam como casuísmo e subversão das regras balizares da democracia.

Não é desprezível que parte considerável dos atores políticos rejeitem reformas como essa. Em meio a tanta incerteza e dissenso, elas representam os interesses conjunturais mais estreitos de parte da elite política e empresarial que, ao chegar ao poder por meios não democráticos e nele pretender se manter, tem se mostrado disposta a dilapidar à confiança social e política nas instituições e estabilidade democráticas.

*Valter Carvalho é doutor em ciência política pela PUC-SP, professor e pesquisador na UFPI e Uninassa, autor de “Atores partidários e entrada estratégica em competição eleitoral de múltiplas arenas: a experiência brasileira”. Edufpi, 2014 e colaborou para Pragmatismo Político.

Bibliografia

Alencastro, Luiz Felipe. Cultura democrática e presidencialismo no Brasil. Novos Estudos Cebrap, 1993.

Dahl, Robert. Poliarquia – governo e oposição. São Paulo: Edusp, 2005.

Lamounier, Bolívar. Brasil: rumo ao parlamentarismo? In. Valenzuela, Arturo e Lamounier, Bolívar. A opção parlamentarista. Editora Sumaré, 1992.

Mainwaring, Scott e Shugart, Matthew. Juan Linz, presidencialismo e democracia: uma avaliação crítica. Novos Estudos Cebrap, 1993.

Manin, Bernard. As Metamorfoses do Governo Representativo”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, nº 29, 1995.

Przeworski, Adam. Democracia e mercado. Rio Janeiro. Editora Relume Dumará, 1994.

Sartori, Giovanni. Ingeniería Constitucional Comparada: una investigación de estructuras, incentivos y resultados. México, Ed. Fondo de Cultuta Econômica, 2000

DONALD TRUMP AMEAÇA DESTRUIR A COREIA O NORTE

Na ONU, presidente Donald Trump diz que pode ter que “destruir totalmente” Coreia do Norte e faz apelo



O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, alertou nesta terça-feira que os EUA serão forçados a “destruir totalmente” a Coreia do Nortea menos que o regime de Pyongyang recue em sua postura nuclear.

Em sua estreia na Assembleia Geral da ONU, Trump pediu que países-membros da organização aumentem a pressão para que a Coreia do Norte abandone as armas nucleares, ao abordar a questão que considera ser seu principal desafio global.

Iniciando seu discurso pouco depois de chegar à sede da ONU em Nova York, Trump disse que o mundo enfrenta ameaças destrutivas de Estados desonestos e de “terroristas e extremistas”.

“Regimes desonestos não apenas apoiam terroristas mas ameaçam outras nações com a arma mais destrutiva conhecida pela humanidade”, disse Trump, se referindo a armas nucleares, durante sua primeira aparição na Assembleia Geral da ONU.

Lendo seu discurso com atenção, Trump prometeu que as forças militares dos Estados Unidos em breve estarão mais fortes do que nunca.

Trump disse ainda, aos líderes mundiais, que os Estados Unidos não buscam impor sua vontade sobre outras nações e que respeitarão a soberania de outros países.

“Eu vou defender os interesses dos Estados Unidos acima de tudo”, disse. “Mas, cumprindo nossas obrigações com outras nações, nós também percebemos que é do interesse de todos buscar um futuro em que todas as nações possam ser soberanas, prósperas e seguras”.

Steve Holland e Jeff Mason, Reuters

A NOVA PESQUISA CNT/MDA PARA AS ELEIÇÕES 2018

Lula vence em todos os cenários avaliados para a disputa presidencial de 2018. Os números são da nova pesquisa CNT/MDA divulgada nesta terça-feira (19) para Presidente da República. Confira as simulações



O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT-SP) lidera todos os cenários analisados pela pesquisa CNT/MDA para a eleição de 2018, tanto no primeiro quanto no segundo turno. Isso inclui tanto pesquisas espontâneas quanto estimuladas.

Na pesquisa estimulada para primeiro turno, Lula tem 32,4% das intenções de voto. Nesse cenário, seguem Bolsonaro (19,8%), Marina Silva (12,1%), Ciro Gomes (5,3%) e Aécio Neves (3,2%).

Se o nome do PSDB é Alckmin e não Aécio, as intenções de voto passam a ser de 32% para Lula, 19,4% para Bolsonaro, 11,4% para Marina Silva, 8,7% para Alckmin e 4,6% para Ciro Gomes.

O terceiro cenário estimulado de primeiro turno põe Doria como o candidato tucano. Nesse caso, Lula tem 32,7% das intenções de voto, Bolsonaro tem 18,4%, Marina Silva aparece com 12%, Doria tem 9,4% e Ciro Comes possui 5,2%.

Na pesquisa espontânea para primeiro turno, o petista aparece em primeiro com 20,2% das intenções de voto. O resultado é maior do que os 16,6% apurados na pesquisa de fevereiro.

No mesmo cenário, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) vem em segundo, com 10,9% (ante 6,5% no levantamento anterior).

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB-SP) aparece em terceiro, com 2,4% das menções na pesquisa realizada em setembro. Em fevereiro, o nome do tucano foi lembrado por 0,3% das pessoas que responderam a pesquisa.

Em quarto lugar na pesquisa de setembro está Marina Silva (Rede), com 1,5% das intenções de voto. Ela é seguida pelo governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) e Ciro Gomes (PTB), ambos com 1,2% dos votos.

O atual presidente Michel Temer (PMDB) ficou em nono com 0,4% das intenções de voto.
VOTO ESTIMULADO (aquele em que os nomes dos candidatos são apresentados ao entrevistado)

Lula — 32,7%
Bolsonaro — 18,4%
Marina Silva — 12%
João Doria — 9,4%
Ciro Gomes — 5,2%

Ps.: Se o candidato do PSDB for Aécio, ele teria 3,2%. Se o candidato for Alckmin, o governador de SP somaria 4,6%.
VOTO ESPONTÂNEO (aquele em que nenhum nome é apresentado ao entrevistado)

Lula — 20,2%
Bolsonaro — 10,9%
João Doria — 2,4%
Marina Silva — 1,5%
Ciro Gomes — 1,2%
SEGUNDO TURNO

Lula tem seu pior desempenho nas pesquisas de intenção de voto para o segundo turno em um possível enfrentamento com sua ex-ministra do Meio Ambiente, Marina Silva (Rede). Nesse cenário, fica com 39,8% das intenções de voto contra 25,8% de Marina. Na comparação com fevereiro, o ex-presidente melhorou nesse cenário, já que naquela pesquisa ele teve 38,9% das respostas e Marina, 27,4%.

Por outro lado, Lula tem seu melhor desempenho contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG). Nesse cenário, o petista fica com 41,8% das intenções de voto contra 14,8% do tucano. Em fevereiro, Lula teve 39,7% e Aécio, 27,5%.

Já o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) seria o adversário com o melhor desempenho contra Lula. Ele aparece com 28,5% de intenções de voto enquanto Lula teria 40,5%.

Contra o governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB), Lula ficaria com 40,6% das intenções de voto enquanto o tucano teria 23,2%. Com Doria candidato pelo PSDB, o ex-presidente tem 41,6% contra 25,2% do prefeito de São Paulo.

Contratado pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), o instituto MDA ouviu 2.002 pessoas em 137 municípios entre os dias 13 e 16 de setembro. A margem de erro da pesquisa é de 2,2 pontos percentuais.

terça-feira, 19 de setembro de 2017

' RÉU DE SI MESMO', JUIZ DE MS ODIADO PELO PCC QUER ESTREAR CARREIRA POLITICA




Divulgação 
O juiz federal Odilon de Oliveira em cena do documentário inédito 'Odilon, Réu de Si Mesmo'


O juiz Odilon de Oliveira, 68, morreu e não sabia. Aconteceu em 2006, quando uma entidade internacional quis homenagear personalidades assassinadas em nome de uma causa. A missionária norte-americana Dorothy Stang. O jornalista Tim Lopes. Ele.

Há anos, o responsável pela prisão de barões do tráfico, como Fernandinho Beira-Mar, está com a cabeça a prêmio –recompensas que chegam a R$ 2,5 milhões, "cortesia" de organizações criminosas como PCC e Comando Vermelho.

Por confusão, Oliveira ganhou um tributo póstumo antes da hora. Ele ainda guarda a placa com moldura dourada dedicada à "memória do juiz federal". Fez questão de buscá-la pessoalmente, em cerimônia no Espírito Santo, para espanto do público.

O magistrado está vivo. Ainda. É o próprio quem teme por sua proteção. Oliveira planeja entrar neste mês com pedido de aposentadoria. "Não fiz ainda porque o Conselho Nacional de Justiça não decidiu se vou ter segurança depois que me aposentar."

Assim que pendurar a toga, Oliveira perderá direito à escolta da Polícia Federal que o acompanha há 19 anos –de oito a dez homens que se revezam para salvaguardá-lo aonde quer que ele vá.

O plano, contudo, não é parar de trabalhar, mas trocar corte por palanque. Odilon de Oliveira quer virar político.

Pernambucano radicado em Mato Grosso do Sul, onde atua como juiz há mais de três décadas, ele se diz "amigo de todos os governadores [do Estado], do prefeito, relacionado com todo mundo". Em pesquisas locais de intenção de voto, aparece entre os primeiros lugares para Senado e governo, em disputa embolada com oponentes da região.

Oliveira vem conversando com partidos, "e o apontamento que eles me têm feito é para o Executivo estadual", afirma à Folha por telefone. Uma das conversas foi com o ex-ministro Ciro Gomes, pré-candidato do PDT à Presidência.

Diz que seu perfil "é de centro", mas evita esmiuçar preferências partidárias por ora, por ainda estar no Judiciário.

Reza a lei que, para concorrer no próximo pleito, magistrados devem pedir exoneração do cargo até abril, seis meses antes da eleição.

ADEUS, BRASIL

Caso neguem, adeus, Brasil. "Vou-me embora. Já cogitei Romênia porque tenho um genro lá. Não tenho condições de morar aqui sem proteção", diz o pai de três filhos, todos com diploma em direito.

O magistrado coleciona ameaças de morte. A primeira veio há 30 anos, quando alguém ligou para sua mulher, conta. "Pediram pra Maria Divino escolher a cor do caixão: roxo, branco, preto..."

Por WhatsApp, Oliveira envia um depoimento prestado em 2010 à Polícia Federal, de alguém convidado a assassiná-lo. Segundo o depoente, "o PCC arrumaria o dinheiro [R$ 2 milhões]". O mandante do crime queria contratar um menor de idade com este argumento: "Se no Iraque colocavam crianças para explodir, por que não colocar um adolescente para matar o juiz?".

Estratégia ventilada: "Arrombar a residência de um policial civil [aposentado], a fim de pegar farda, colete e distintivo", um disfarce para executar o atentado contra o juiz.

Alguns desses planos saíram do papel. Oliveira escapou de tiros e mais de uma vez dormiu num colchonete no fórum onde trabalha –uma vara de lavagem de dinheiro, assim como a do paranaense Sergio Moro, com quem já fez alguns "cursos de reciclagem", diz.

A rotina enclausurada é tema do documentário "Odilon, Réu de Si Mesmo", de Leandro Lima. O diretor conta que no começo estranhou "ir ao mercado de metralhadora, ser revistado para entrar na casa" de seu entrevistado. A produtora Your Mama tenta captar recursos para finalizar a obra, filmada em agosto.

O filme registra hábitos que Oliveira preserva, como fazer musculação cedinho e bebericar "um uisquinho" vez ou outra. De resto, diz o juiz, "abri mão de tudo. Vida social? Esse tempo todinho, não tenho. A gente [ele e Maria Divino] fazia dança de salão. Fazia."

ADEUS, IGREJA

A vigilância 24 horas por dia, sete dias por semana também desvirtuou a vida de católico praticante. "Não sou mais. O problema da segurança atrapalha muito. A igreja é a oficina da alma, não de violência. Entrar com pessoal armado e tal... Isso me constrange."

Outra fonte de embaraço: o boato de que o juiz tinha uma amante. Em 2015, ao site sul-mato-grossense "Capital News", atribuiu-o à "criminalidade organizada" que "queria de toda maneira me prejudicar e tentava me atacar moralmente". A versão de Oliveira: um grupo criou a farsa de uma mulher que cruzaria a fronteira, iria até uma TV com olho roxo e diria que recebeu um murro do concubino.

Lima retoma o caso em seu documentário. "Oliveira ironiza. Fala que é um cara superfiel: está com a mesma mulher, faz a mesma academia e vai à mesma manicure há anos."

Antes do documentário, veio a ficção "Em Nome da Lei" (2016). Trata-se da história do "responsável pela condenação de 200 traficantes e pelo confisco de mais de R$ 2 bilhões em dinheiro sujo", diz a sinopse da produção da Globo Filmes. Assim Mateus Solano descreve seu protagonista, inspirado no juiz: "É um cara que queria prender os bandidos e acabou ele mesmo preso".
FOLHA DE SÃO PAULO

APENAS A ESCOLA PARA CONTESTAR PÚBLICO, PRIVADO E A ESCOLA?


Leandro Silva, Pragmatismo Político

Mesmo com a sensação, ‘o que vai para frente é o atraso’, há resultados ‘positivos’ recentes e concretos na educação entre 2003 e 2015. Tais como universidades federais, programas de acesso a universidades privadas, escolas técnicas, acesso a ensino básico, em geral aumento de investimento na educação. Fique claro que essa afirmação não é minha, é fato. Basta realizar pesquisas, MEC, IBGE e ODM Brasil por exemplo. E até de periódicos de oposição no período, alguns tentam criar formulas com inflação e movimento dos astros, mas mesmo assim não conseguem rejeitar o fato. Aqui não me preocupo em citar números, isso fica para as campanhas eleitorais. (A busca critica pela informação colabora com o exercício reflexivo e democrático.)

O Brasil possui um atraso, comparado a dinâmica mundial, que exige décadas de crescente investimento. Não há nenhum indicador qualitativo qual o Brasil possa se orgulhar. O Brasil enfrenta a corrida para ofertar vagas em todos os níveis de ensino e acima de tudo oferecer ensino de qualidade. Em contraste a essa realidade/problema vivemos o momento em que o Brasil congela seus investimentos públicos. A população de recursos limitados está determinada a receber um ensino de acentuada decadência na qualidade. Mas e a mobilidade social? Meritocracia?

Programas do Estado de financiamento do ensino privado, radicalizo e considero como uma agenda opressora, pois fortalece as corporações que vendem educação e contribui para a alteração de percepção onde educação deixa de ser um direito e se torna um serviço. Mas como resolver o problema do acesso? A transferência de recurso público para empresas privadas é a única opção?

Realidade descolada, onde o Estado e o indivíduo não veem o mesmo. O Estado desenvolve seu mecanismo de aferição e propaganda que possa melhor extrair o que lhe convém da realidade. Os avanços quantitativos possuem seu valor considerando as condições históricas do Brasil.

Mas hoje, 2017, mesmo considerando os resultados recentes, na pratica, não há o que comemorar, avançamos na alfabetização, mas com número elevado de analfabetismo funcional, acesso ao ensino superior ainda é insuficiente, falta de professores, a qualificação dos professores é problemática, estruturas físicas deficientes das escolas e universidades. Sem falar sobre salário dos servidores da educação, salários atrasados e mais. Eles têm os números, nós temos a realidade que não se converte em números.

Avança a imagem construída pela propaganda do ensino privado, onde relaciona o privado a qualidade e público a péssima qualidade, especialmente quando se refere a ensino básico e médio. Ideário de fundamento liberal, Estado ineficiente e não esquecer, corrupto. Essa imagem colabora, no ponto de vista liberal, na problemática de outras questões não menos urgentes. Lembrando, Estado que financia a indústria do ensino que se volta contra ele. Será o Estado é um ideário ultrapassado? O que significa ‘É dever do Estado…’? Estados, incluo todos, não seriam hoje apenas facilitadores da circulação de capital e ideologias que protejam o capital? Questões urgentes, mas para ‘outro momento’, voltando.

A educação é um direito, direito conquistado, não um serviço. É preciso criticar para além do investimento financeiro. É preciso avanços quantitativos e qualitativos. É preciso deixar de fortalecer instituições prestadoras de serviço.

Estado, o ente problemático, deve oferecer ensino de qualidade para todos em todos os níveis. A política adotada e praticada deve ser centrada em velocidade com qualidade e a partir disso exigirmos mais e mais investimentos. No movimento continuo para a mesma direção, gradualmente conseguiremos não só alcançar melhores resultados quantitativos como qualitativos. Crescimento nos indicadores para que possamos nos orgulhar, como também desfigurar essa percepção comum de que o público é adjetivo de péssima qualidade, percepção que nos é muito cara. Poderemos assim contestar os privilégios e possibilitar o caminho para uma sociedade com menos desigualdade.

Incomoda (também) o ideário de que a educação é a cura dos males do mundo. Mas a educação emancipadora ainda é o paradigma vigente dada sua ausência prática. Inclusive, basta observar a urgência das mazelas sociais que são consequência.

Ficaram (propositalmente) questões em aberto, justamente para apontar que são (algumas) repetidas. Mas nós não estamos a fazer as perguntas erradas? Para todos aqueles que possuem algum ideário de realidade, será que não precisamos de perguntas com mais qualidade? A razão como fundamento para solucionar problemas causados pela razão estará a risco de estabelecer nova tirania. Há uma pergunta anterior ao ‘como’ que nos escapa.

…na aula de matemática enquanto o ‘professor’ falava, alguns ‘alunos’ jogavam no celular por detrás do ‘livro’. Uns desenhavam na ‘mesa’, outros conversavam. Talvez um ou dois observavam o ‘professor’. O ‘professor’ segurava um ‘livro’ enquanto usando um ‘giz’ escrevia na ‘lousa’… É tudo culpa das aspas como me ensinaram na escola. Ou falta verbo?

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

TERREMOTO DE 4,5 GRAUS É REGISTRADO EM RIO BRANCO DO SUL

Rio Branco do Sul e São Jerônimo da Serra registraram tremores na madrugada.


Por Redação



Um fenômeno incomum deixou muita gente preocupada em duas cidades do Paraná entre a noite deste domingo (17) e madrugada de segunda-feira (18). Houve registro de terremoto em Rio Branco do Sul e São Jerônimo da Serra na região norte do Paraná, segundo o Centro de Sismologia da Universidade de São Paulo (USP). Confira os dados na tabela abaixo.


Segundo o Centro, o terremoto em Rio Branco do Sul atingiu 4,5 graus de magnitude e foi registrado a uma profundidade de 52 quilômetros. Já o registrado em São Jerônimo da Serra foi mais forte. A USP registrou magnitude de 5,1 graus a uma profundidade de 10 quilômetros.


O tremor registrado em Rio Branco do Sul pôde ser sentido também nas cidades próximas, como Itaperuçu, Almirante Tamandaré e Colombo. Em Curitiba houve registros nos bairros portão e Fazendinha.




Segundo o Centro de Sismologia as localizações e profundidade podem conter um erro de variação, mas na região metropolitana de Curitiba muita gente sentiu a terra tremer. Nenhum atendimento foi registrado.


A Defesa Civil do Paraná informou que ainda não havia pedido apoio dos Bombeiros em suas bases nas duas cidades.


Mais informações em breve!




TRIBUNA DO PARANÁ

domingo, 17 de setembro de 2017

CRIATURA ESTRANHA APARECE EM PRAIA APÓS PASSAGEM DE FURACÃO


"Foi completamente inesperado, não é algo que você normalmente encontra na praia". Misteriosa criatura do mar aparece em praia do Texas após passagem de furacão
Criatura encontrada no mar do Texas


Uma misteriosa criatura do mar apareceu numa praia do Texas, após a passagem do furacão Harvey no final de agosto.

A carcaça do animal sem olhos e com dentes afiados foi encontrada por Preeti Desai, que trabalha para uma sociedade de conservação de pássaros nos EUA. Ela fotografou o animal e pediu ajuda no Twitter para identificá-lo.

Ela postou várias fotos com a legenda: “Ok, que diabos é isso?”.

O pedido dela foi encaminhado ao biólogo e especialista em enguias Kenneth Tighe, que acredita que se trate de uma enguia do tipo Aplatophis chauliodus, da família Ophichthidae, pertencente à ordem dos anguilliformes – das enguias e moreias.

O especialista, contudo, não foi categórico. Levantou a possibilidade de o animal ser um representante de outras duas espécies de enguia que também são comuns na costa do Texas e têm dentes grandes parecidos com presas.
Os Aplatophis chauliodus, que já foram vistos na costa do Nordeste brasileiro e assunto de um estudo da Universidade Federal de Alagoas, geralmente vivem na costa Atlântica do sul da América do Norte, Caribe e norte da América do Sul, a uma profundidade de 30 a 90 metros. Eles passam a maior parte do tempo escondidas em buracos no fundo do mar.

O furacão Harvey, que provocou fortes ventanias e enchentes no Texas, pode explicar por que o animal apareceu na praia no Golfo do México.

Desai diz ter encontrado a carcaça enquanto averiguava os danos provocados pelo Harvey na praia. Ela cuida do setor de mídias sociais na Audubon Society, organização americana voltada para a conservação de pássaros. “Foi completamente inesperado, não é algo que você normalmente encontra na praia”, disse ela à BBC.

Ela conta que pensou que pudesse ser alguma criatura do mar profundo. No Twitter, disse que não era assustadora, nem colossal. “Não era um monstro”.

“Minha primeira reação foi curiosidade, queria descobrir o que era”, disse.

Desai disse que postou as imagens no Twitter porque muitos cientistas usam a rede social. Um amigo dela logo respondeu, colocando-a em contato com o biólogo.

“Eu sigo muitos especialistas e pesquisadores. Há uma comunidade enorme desse pessoal que é muito útil, especialmente quando é preciso buscar respostas sobre o mundo e identificar animais e plantas”.

Desai afirma que deixou a criatura na praia para deixar a “natureza seguir seu curso”.

BBC Mundo