quarta-feira, 22 de novembro de 2017

OBRAS DO SISTEMA INTEGRADO METROPOLITANO SOMAM R$ 130 MILHÕES,DESTACA GRECA

O prefeito Rafael Greca destacou, esta semana, a importância do Sistema Integrado de Monitoramento Metropolitano para garantir mais segurança à população. “Temos cinco obras de grande magnitude que somam mais de R$ 130 milhões em investimentos”, disse.

Ao participar de reunião do comitê gestor do programa Pró-Metrópole na Fiep, ressaltou ainda os avanços do modelo de governança compartilhada em toda a região da grande Curitiba. “Gosto muito do conceito de grande cidade. Já fizemos diversas ações em Curitiba com impacto positivo nas cidades vizinhas, como a reintegração do transporte coletivo”, disse.

Entre as ações, os grupos de trabalho do programa Pró-Metrópole têm desenvolvido ações relacionadas aos polos produtivos, pequenos negócios, projetos agroalimentar, de águas e turismo, além da formação de um sistema de informação comum a todas as cidades.


O Sistema Integrado de Monitoramento Metropolitano também promove agilidade e segurança nas principais vias de acesso a Curitiba por permitir o monitoramento em tempo real.

O SIMM é complementar ao sistema de Curitiba e opera em quatro plataformas: circuito fechado de TVs (CFTV), painéis de informação variáveis, tecnologia embarcada no transporte coletivo e controladores de semáforos.

sábado, 18 de novembro de 2017

20 funções "secretas" do WhatsApp que você (provavelmente) não conhecia


Por Gabriela Kimura

Todos os dias você entra nesse aplicativo. Ele faz tão parte de nossas vidas que, por vezes, esquecemos que ele é exatamente isso: um app, o "apelido" dos aplicativos para smartphones. E, como seus similares, tem várias funções ótimas que servem tanto para facilitar sua vida quanto para otimizar o próprio celular. E aí, qual dessas você já conhecia?
1. Apagar mensagens enviadas

A mais recente atualização do app permite que você apague uma mensagem depois que já enviou. Sabe quando a digitação sai confusa, manda no grupo ou para a pessoa errada ou simplesmente não quer mais mandar aquela mensagem? Seus problemas acabaram! Quer dizer, você tem até 7 minutos depois do envio para decidir apagar ou não.




2. Usar negrito, itálico ou riscado nas mensagens

* * _ _ ~ ~: esses símbolos significam algo para você? Pois no seu teclado do WhatsApp, eles podem ser um negrito, itálico ou o texto aparecer riscado.

Negrito: *escreva seu texto aqui*

Itálico: _escreva seu texto aqui_

Riscado: ~escreva seu texto aqui~


3. Gravar um áudio sem ficar segurando o botão

É real: não precisa sofrer segurando o celular para mandar aquele textão, digo, áudio looongo! É só ir na ferramenta de Anexos (o ícone em formato de clipe) e selecionar Áudio > Gravar Áudio com WhatsApp e pronto!


4. Mudar a cor da luz das notificações

No Android, você pode alterar a cor da luz que pisca quando recebe alguma notificação do WhatsApp. Aí você sempre sabe qual é a cor da notificação, sem nem precisar abrir!

Basta ir nos três pontinhos que ficam no canto direito superior > Configurações > Notificações > Luz.


5. Enviar com ou sem ENTER

O padrão é que, quando você usa a tecla Enter do teclado, ele mande a mensagem imediatamente. Porém, se quiser que ele apenas pule uma linha (assim como no computador), você pode alterar essa configuração.

Entre em Configurações (os três pontinhos do canto superior direito) > Conversas > Enviar com Enter.


6. Deixar a letra maior (ou menor)

Para quem tem hipermetropia (ou usa óculos de leitura), quanto maior a fonte melhor! Então, é só alterar essa configuração e facilitar a sua vida.

Também em Configurações > Conversas > Tamanho da fonte.


7. Silenciar várias conversas de uma vez

A gente bem sabe que, quanto mais grupos no seu WhatsApp, mais mensagens você recebe. Se quiser silenciar o grupo (ou um contato), mantendo a conversa ali, você pode fazer isso, inclusive, com mais de um.

Segure a conversa que quer silenciar e espere aparecer a opção de selecionar. Após a seleção, aperte o botão de "tirar o som" para silenciar as conversas.


8. Fazer backup para liberar espaço do celular

O drama que é ter que limpar espaço para poder baixar arquivos ou aplicativos, não é? Basta fazer backup das conversas e dados, assim, você terá salvo se trocar de telefone e também para de usar a memória do celular!

Vá em Configurações > 


9. Enviar mensagem para várias pessoas sem ser num grupo
A chamada "Transmissão" é a melhor forma de enviar uma mesma mensagem para vários contatos diferentes sem precisar criar grupos. Só clicar nos três pontinhos e selecionar Nova Transmissão.
10. Esconder mensagens da tela principal

Do mesmo jeito que você pode silenciar conversas, também dá para arquivar. Seja lá qual for o motivo que você não quer que ela apareça na tela principal, é só seguir o mesmo caminho.

Segure até aparecer a seleção e escolha o ícone de arquivo.


11. Diminuir o uso de internet do celular

Dá para controlar o quanto da sua internet (quase toda rs) vai para o WhatsApp. Basta entrar em Configurações > Uso de Dados e aí ajustar o que você achar melhor. Baixe fotos e vídeos apenas no Wi-Fi e reduza o uso de dados em chamadas para economizar.


12. Responder conversas sem precisar abrir o app

Chegou a notificação e você não quer abrir? Configure suas Notificações Push para poder responder sem abrir. Basta deslizar a notificação e aparecerá a opção de responder àquela mensagem. Esse é um truque bom para também não aparecer quando você visualiza a conversa, viu?
13. Usar o Whatsapp no computador (desktop)

Não precisa ficar o tempo todo olhando o celular, não! É só acessar a versão Web do Whatsapp, ler o código QR e digitar na tranquilidade do seu notebook ou computador.
14. Responder uma mensagem direta de quem mandou

Segure a mensagem que você quer responder - uma pergunta que sua mãe fez, por exemplo, e clique na setinha sentido esquerda (a direita é para encaminhar a mensagem!). Pronto, assim, ninguém perde mais nada!
15. Mandar uma mensagem para uma pessoa específica em um grupo

Se o grupo da sua família tem, digamos, 10 membros, é difícil convencer alguém que tem uma mensagem importante para ela ali, não é? Especialmente se vocês forem do tipo falantes... Então, use o @ para indicar com quem você quer falar. Exemplo: digite, na própria conversa, @Ana e espere aparecer o usuário. Pronto, a pessoa vai saber que é com ela.
16. Esconder a visualização de quem leu (ou não)

Depois que o WhatsApp inventou de confirmar a leitura das mensagens, você não pode mais fugir... A não ser que você desative essa configuração (que é possível, sim): acesse Configurações > Privacidadee tire a seleção da caixinha de Confirmações de Leitura. O que acontece na prática é que, tanto você quanto os outros, não tem como saber se a mensagem foi lida ou não. Exceto em caso de vídeos, fotos e áudios em grupos - daí sempre fica azul.


Outra opção é desativar também a última vez que você abriu o aplicativo, conhecido como Visto Por Último.


17. Usar fonte diferente para mandar suas mensagens

É só usar o acento de crase (```) três vezes e colocar o texto no meio. Doido, né?


18. Enviar gifs

Não é bem novidade, mas deixa as conversas muito mais divertidas e explicativas. É só clicar no ícone do Emoji e ir para a opção de Gif. Busque por palavras-chave como "amor", "abraço" e "sorriso".


19. Marcar mensagens importantes

Não quer perder algo no imenso universo das suas conversas no WhatsApp? Segure a mensagem pretendida e selecione a estrelinha. Pronto!

20. Crie atalhos para suas conversas favoritas

Se tem alguém ou algum grupo que você fala muito - digamos, todos os dias -, dá para criar um ícone de atalho na tela inicial do seu celular para chegar nessa conversa mais rápido. Segure a conversa, selecione e toque nos três pontinhos > Adicionar atalho para conversa.

WhatsApp deve mudar o recurso de gravar áudio


Quem gosta de enviar mensagens de áudio em conversas pelo WhatsApp em breve terá de aprender um novo esquema para fazer isso. O aplicativo está testando uma nova interface que trará "gravações trancadas".


A novidade foi descoberta pelo site WABetaInfo, conhecido por adiantar a chegada de novos recursos ao WhatsApp antes mesmo que eles cheguem ao beta público do app. É o caso deste novo recurso, que permitirá gravar áudio sem precisar manter o dedo pressionando o ícone de microfone.


OUTRAS MATÉRIAS


WhatsApp testa novidades para grupos; saiba o que vem aí Como descobrir se alguém te bloqueou no WhatsApp, este testa função para colorir emojis; veja como funciona
O novo sistema é simples: você segura o botão de gravação por menos de um segundo e surgirá na tela um ícone de um cadeado. Basta, então, deslizar para cima naquele ícone e a gravação será "trancada". Você poderá soltar o botão e continuar gravando seu áudio com as mãos livres. Para parar a gravação e enviar o áudio, nada muda: é só deslizar para a esquerda.

Há algumas limitações, porém. O usuário pode navegar pelo chat enquanto grava, mas não pode trocar de aplicativo, de conversa e nem pode digitar uma mensagem de texto. Além disso, por enquanto a novidade só apareceu no beta privado do WhatsApp para iOS, e ainda não se sabe quando ela estará disponível para todos os usuários.

Lucas Carvalho

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Daniela Bispo, jornalista, é a mais nova vítima de feminicídio no Brasil

“Eu fico me perguntando o que está acontecendo com o mundo para as mulheres estarem passando por isso”. Daniela Bispo lutou pela vida até o fim. Assassino continuou batendo na jornalista mesmo quando ela já agonizava. Preso, Mateus Viliam afirmou que estava se sentindo ameaçado e “com muita raiva” dela



A jornalista Daniela Bispo dos Santos, 38, foi morta com três pedradas na cabeça, na testa e no rosto na cidade Salvador (BA).

Mateus Viliam Oliveira Alecrim Dourado Araújo, 32 anos, confessou que, mesmo após Daniela estar agonizando no chão, ele continuou batendo nela, dando dois murros com a mão direita em seu rosto.

O detalhamento do crime foi feito por Mateus na audiência de custódia e descrito na decisão da juíza Patrícia Cerqueira Kertzman Szporer, que converteu a prisão de flagrante para preventiva nesta quarta-feira (15).

O assassino ainda afirmou estar “com muita raiva” de Daniela.

Após o crime, Mateus guardou a pedra na mochila e vestiu uma camisa de manga longa comprida, que ele havia levado consigo.

“Ele vestiu a camisa, pegou um táxi e, dentro do táxi, pegou na mochila outra blusa de tecido fino na cor laranja, com listas pretas nos braços e ombros, tirou o tênis, Colocou uma sandálias havaianas de cor branca com detalhes azul e verde, pediu para o táxi deixá-lo na Praça Nossa Senhora da Luz, onde pegou um ônibus com destino a Lapa, Portão- Lapa”, descreve a decisão.

No documento, a juíza explica que Mateus disse a Daniela que iria entregar uma chave para ela, e que por isso ela foi encontrá-lo.

A juíza disse que a ação mostra claramente crueldade, premeditação e frieza. Mateus afirmou que Daniela estava pedindo dinheiro a ele e disse que a vítima o estava ameaçando, afirmando que iria contar do envolvimento dos dois para sua noiva.
Entenda o caso

De acordo com a polícia, no começo da noite de segunda-feira Mateus saiu de casa e foi ver Daniela. Os dois marcaram um encontro no mesmo prédio em que ela trabalhava.

Mateus contou para a polícia que no caminho pegou um paralelepípedo, que partiu em dois. Um dos pedaços ele deixou no local, e o outro colocou dentro da sua mochila.

A delegada Milena Calmon, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), contou que Mateus conhecia os funcionários que trabalham na portaria e, por isso, conseguiu entrar no edifício com facilidade.

Por volta das 19h, Daniela saiu da sala em que trabalhava, no 1º andar, e subiu até o 6º pavimento. Os dois se encontraram, mas a conversa tornou-se uma briga.

Houve uma discussão, e ele contou que começou a agredir ela com socos. Depois, retirou uma pedra que tinha levado na mochila e passou a agredi-la com pedradas.

Daniela caiu um lance de escadas, do 6º para o 5º andar. Em seguida, ele trocou de camisa enquanto descia as escadas e saiu pela garagem do prédio”, contou a delegada.

Durante apresentação no DHPP, Mateus disse estar arrependido.

“Ela me ameaçou, estava me chantageando. Ela queria que eu terminasse o meu noivado. Disse que iria procurar minha noiva para contar tudo. Eu não estava aguentando mais”, afirmou.

Para tentar se livrar de sinais do crime, Mateus trocou de camisa três vezes – além de mudar de blusa no local do crime e no táxi, fez uma terceira troca já no ônibus.
Frieza

Ainda segundo a polícia, depois de matar Daniela com socos e pedradas, Mateus foi para casa como se nada tivesse acontecido para dormir. Ele mora no bairro da Saúde, em Salvador.

Horas depois do crime, enquanto as pessoas ainda procuravam a jornalista, ele estava a caminho de uma entrevista de emprego quando foi preso.

O corpo de Daniela foi encontrado no dia seguinte, pela manhã. A polícia solicitou as imagens de segurança do prédio, onde ficou registrada a movimentação do suspeito e conversou com os amigos da jornalista que confirmaram que os dois tinham um relacionamento.
Família desconhecia relação

A família da jornalista Daniela Bispo não sabia que ela mantinha um relacionamento de três anos com Mateus Viliam.

A informação foi confirmada pelo tio da jornalista, o agente comunitário Lindelson Corsino, durante o sepultamento.

“Ela era muito reservada. Não contava muito da vida dela. Todo mundo só descobriu quando pegou o celular dela e viu as mensagens com ele”, disse.

Daniela morava com os pais, os dois filhos de 16 e 19 anos, e cuidava também de um sobrinho.

Daniela era quem sustentava a família em casa. O pai da jornalista foi ao sepultamento, mas não quis falar com a imprensa. Já a mãe, muito abalada, não conseguiu ir ao cemitério.

Durante o enterro, pessoas próximas tentavam se consolar e entender o que tinha acontecido com a jornalista. “Eu fico me perguntando o que está acontecendo com o mundo para as mulheres estarem passando por isso”, disse um amigo.

Moradora de rua é assassinada por estudante de medicina e lutador de MMA

Tudo indica que este é mais um crime de ódio, um ataque intolerável aos mais empobrecidos”. Estudante de medicina e lutador de MMA assassinam moradora de rua enquanto ela dormia

Rodrigo Gomes Rodrigues e Claudio José Santos acusados de matar Fernanda Rodrigues dos Santos (Imagem: Pragmatismo Político)

Após quase um mês de investigações, a Polícia Civil do Rio de Janeiro acredita que elucidou o assassinato da moradora de ruaFernanda Rodrigues dos Santos, de 40 anos. Ela foi assassinada com um tiro no peito enquanto dormia sob uma marquise na Avenida Nossa Senhora de Copacabana, na zona sul da capital fluminense.

Nesta terça-feira (14), policiais da Delegacia de Homicídios da capital prenderam o estudante de Medicina Rodrigo Gomes Rodrigues, de 28 anos, e o lutador profissional de MMA Cláudio José Santos, de 42. Os dois são acusados pelo homicídio.

Os agentes descobriram também uma quantidade significativa de drogas na casa de Cláudio José, em Copacabana, incluindo 142 gramas de cocaína, 96 gramas de crack, dez gramas de maconha e uma balança de precisão. Ele também será indiciado por tráfico de drogas.

Rodrigo Gomes está cursando o 10º semestre de Medicina.

De acordo com a polícia, Fernanda Rodrigues era “uma pessoa carismática e muito adorada” em Copacabana. Vivia há quatro anos na localidade, sempre dormindo por ali. E costumava passear pelas ruas carregando várias sacolas com seus objetos pessoais.

O presidente da comissão de população em situação de rua da Câmara Municipal do Rio, vereador Reimont Luiz (PT), afirmou que justiça começa a ser feita com a prisão dos suspeitos.

“Tudo indica que este é mais um crime de ódio, um ataque intolerável aos mais empobrecidos”, lamentou em post no Facebook. “Que a punição rápida e justa dos assassinos sirva de exemplo para coibir a intolerância, para que a morte da Fernanda tenha algum significado de mudança em nossa sociedade.”

A motivação do crime não foi divulgada pela polícia. A defesa dos suspeitos ainda não se manifestou.

No próximo sábado (18), haverá um ato em memória à Fernanda na Praça do Lido, próximo ao local onde ela viveu nos últimos anos.

Diego Iraheta, HuffPost

POLICIAL ATACA TERREIRO DE UMBANDA PARA CONSTRUIR IGREJA EVANGÉLICA

Com o objetivo de construir uma igreja evangélica, policial faz ataques a terreiro de Umbanda e ameaça matar família



Jefferson Lorentz, Bhaz

Um caso de racismo e preconceito religioso está apavorando responsáveis por um terreiro de Umbanda no bairro Imperador, em São Joaquim de Bicas, na região metropolitana de Belo Horizonte (RMBH). Desde 24 de outubro a casa sofre ataques consecutivos liderados por um policial militar da reserva, conhecido coo João Camargo. Além de destruir o terreiro “Casa Espírita Império dos Orixás de Nossa Senhora da Conceição e São Jorge Guerreiro”, os atos de violência também provocaram prejuízos no imóvel onde a família mora.

Segundo os irmãos Lalesca Pereira dos Santos, de 23 anos, e Gustavo Pereira dos Santos, de 20, a perseguição começou na terça-feira, dia 24 de outubro. Eles relataram o caso à Defensoria Pública de Minas Gerais e o Bhaz teve acesso ao documento em que contam como tudo ocorreu. Era por volta das 6h quando um grupo de pelo menos seis pessoas lideradas por João Camargo, que estava armado, entrou na propriedade da família.

De acordo com a denúncia, apenas um irmão de Lalesla e Gustavo, Diego Santos que tem sofrimento mental e é epilético, estava no local. João Camargo na companhia dos cúmplices até o momento não identificados quebraram o galinheiro, as cercas e destruíram as plantas usadas para banho. Ao chegar em casa, Gustavo, que trabalha em uma auto escola, tentou conversar com o líder do grupo, mas sem sucesso. João Camargo teria dito a ele que “não conversava com macumbeiro”, apontando uma arma para o rapaz.

Diante de toda a destruição, Gustavo ligou para o 190 nove vezes e foi informado de que uma viatura estava a caminho, mas os militares não apareceram. Ao mesmo tempo, João Camargo teria também feito contato com a Polícia Militar solicitando “reforço”. A solicitação dele, no entanto, foi atendida e os oficiais chegaram ao local algum tempo depois. Na viatura, segundo Gustavo, havia dois militares, sendo um deles a sargento Tamires, que não teria registado o Reds (Registro Eletrônico de Defesa Social) diante da quebradeira promovida por João Camargo. A militar teria apenas dito que tudo não passava de uma “questão de bom senso” e que era melhor que a família não mexesse com João Camargos, pois se tratava de “gente muito perigosa”. Neste meio tempo, Camargo teria dito que iria embora, quando Gustavo acreditando que a situação estava controlada retornou ao trabalho em auto escola.

Mas ao perceber que Gustavo havia se ausentado novamente, Camargo e sua turma continuaram a destruir o restante da casa. No alvo do grupo estavam imagens de entidades da Umbanda, santos e os eletrodomésticos do local. Geladeira, máquina de lavar, micro-ondas, utensílios de cozinha como panelas, talheres e vasilhames foram destruídos. Eles não pouparam nem mesmo um fogão de lenha e telhas. Ao retornar para casa, Gustavo reencontrou o grupo destruindo as imagens do terreiro. Foi quando teve a camisa rasgada por João Camargo, que deixou um aviso: o rapaz deveria sumir para não ser morto. Assustado, mais uma vez Gustavo ligou para a PM. De acordo com ele, os militares atenderam a ocorrência, mas nem sequer chegaram a descer da viatura para retirar os agressores de dentro do local. “Eu estava passando mal por conta de toda aquela situação, os militares me levaram para a UPA da cidade, enquanto João Camargo e o grupo dele continuavam a destruir o terreiro e minha casa”, relatou o proprietário do imóvel.

Segundo dia de agressão

Não satisfeito, o grupo comandado pelo policial da reserva João Camargo voltou ao local na quarta-feira, dia 25 de outubro. Era por volta de 7h quando eles surpreenderam Gustavo e os irmãos dele, a mãe do trio Maria Serafim, além de duas amigas da família. Desta vez, estavam armados com facões e traziam nas mãos cercas, moto serras e mourões. Diziam a todo tempo que cercariam a propriedade, onde seria erguida uma igreja evangélica. Assustados, os moradores acionaram a PM, mas ela só chegou ao local quando Camargo acionou o 190. Ele fez contato ao perceber que a família ia se defender. Sem explicar o motivo, a irmã de Gustavo, Lalesca foi conduzida para uma unidade da PM, sendo intimada a voltar no dia seguinte em posse dos documentos originais que comprovassem a propriedade do terreno.
De autor à vitima

Pelo terceiro dia consecutivo, na quinta-feira, dia 26 de outubro, Camargo voltou à casa novamente por volta das 7h. Acompanhado por três homens, entrou no local pela cerca que havia sido colocada no dia anterior durante a invasão. Dentro do imóvel, o policial acusou o “pessoal” do terreiro de roubar os materiais deixados lá por ele. Desta vez quem chama a PM primeiro é João Camargo. Para a surpresa de todos quem aparece é a sargento Tamires que, após o relato de roubo feito pelo “colega da reserva”, manda que Lalesca troque de roupa e a acompanhe para a delegacia. “Vocês de novo mexendo com o João Camargo?”, teria questionado a oficial.

A militar chega a perguntar onde está o irmão de Lalesca, Gustavo, mas o rapaz está na auto escola. Eles desconfiam. Lalesca segue sozinha para a delegacia. No entanto, no meio do caminho, ouve o momento em que a policial Tamires recebe uma ligação dos “homens de Camargo” dizendo que Gustavo está no imóvel. Neste instante a viatura retorna à casa da família Santos, quando iniciam a caçada ao rapaz que é confundido com outro irmão, Diego.

Dentro do lote da família onde o policial da reserva João Camargo delimitou com uma cerca o imóvel, ele e seus capangas ostentam nas mãos paus e machadinhas avisando que dali ninguém sairia. Ao perceber que alguém havia saído do banheiro, Camargo corre atrás de Diego acreditando ser Gustavo. “Se você não parar eu atiro nas suas pernas”, disse aos gritos. Alertado por um dos militares de que aquele era na verdade Diego, e não Gustavo, o policial desiste de atirar.

Para a surpresa de João Camargo, Gustavo chega ao local de táxi após deixar o trabalho, mas é impedido de entrar no imóvel. Lalesca também é impedida de usar o banheiro da própria casa. “se você quer mesmo fazer que seja no mato ali”, ouve da militar Tamires que estava próxima a outros militares. Levados para a delegacia, os irmãos relataram que foram colocados em uma sala muito quente, sem ventilação e sem direito à alimentação. Depois de mais de seis horas de espera, os irmãos foram ouvidos pela autoridade policial e liberados, sendo informados que eles deveriam comparecer a uma audiência no 16 de fevereiro de 2018, no Fórum de Igarapé.


O relato ainda traz na última página o momento de terror vivido pela família, quando o policial João Camargo voltou pela quarta vez, no dia 27 de outubro. Mais uma vez acompanhado de seis homens, dois deles armados, ele destruiu o banheiro da casa, quebrando canos e cortando a fiação de luz. Ao perceber que Gustavo estava fotografando cenas da destruição, João Camargo jogou gasolina contra o rapaz, que só não foi atingido porque o irmão Diego o puxou para trás. O combustível não chegou a atingi-lo, mas Gustavo ouviu quando o policial da reserva debochou afirmando que “queria ver se o santo dele o protegeria”. Na ocasião, Camargo reafirmou que a família teria 30 dias para sair do local, pois de outra maneira colocaria fogo em tudo.

“Precisamos ser respeitados por quem somos e por nossas crenças. Temo que o pior aconteça, mas confiamos em Deus. Espero que seja feita justiça, pois não queremos o mal de ninguém, queremos somente a paz”, afirmou Lalesca por telefone.
A busca por ajuda

A família Santos buscou orientação no Centro Nacional de Africanidade e Resistência Afro-Brasileira (Cenarab). A presidente da entidade, Makota Celinha, acionou a Secretaria Estadual de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania (Sedpac) para que providências fossem tomadas diante da gravidade dos fatos narrados. A brutalidade da ações praticadas pelo grupo de João Camargo levou o secretário de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania, Nilmário Miranda ao local, acompanhado da subsecretária de Promoção da Igualdade Racial, Cleide Hilda de Souza, e de Makota Celinha. Durante a visita realizada de forma emergencial no dia 1° de novembro, as autoridades saíram estarrecidas com o cenário encontrado. Preocupado com os fatos relatados pela família, Nilmário Miranda solicitou que a Defensoria Pública de Minas Gerais acompanhasse o caso e notificasse as Polícias Civil e Militar sobre a necessidade da instauração de investigações.

Em entrevista ao Bhaz, o secretário estadual de Direitos Humanos, Nilmário Miranda, avaliou que houve injúria racial, acompanhados de atos de intolerância religiosa, com o agravante da utilização do falso poder do estado no momento em que policial ‘reformado’ se faz passar por polícia. “A PM esteve no local e não lavrou sequer um boletim de ocorrência por influência deste policial ‘reformado’ conhecido como João Camargo que profanou imagens sagrada, o local do culto e também a moradia destas pessoas. É importante mostrar aos agressores que as vítimas não estão entregues a própria sorte”, afirmou.

A subsecretaria, Cleide Hilda de Lima Souza destacou que “é inaceitável que a Policia Militar não tenha registrado nenhum boletim de ocorrência relatando a destruição da casa da família e também do terreiro de umbanda. O que vimos ali é crime e deverá ser penalizado”, afirmou ao Bhaz argumentando que o objetivo do grupo liderado por João Camargo é tomar o terreno da família Santos. Segundo Makota Celinha, João Camargo – que também se apresenta como pastor -, diz que pretende construir uma igreja evangélica no local.

Por telefone o tenente da Polícia Militar Jamicel Silva, que comanda o Pelotão de policiamento localizado na cidade de São Joaquim de Bicas, informou que o militar João Camargo nega ter promovido a destruição da casa e do espaço onde funciona o terreiro de Umbanda. Ele informou que o próprio militar acionou a PM, por alteração nos limites da propriedade, e que toda a confusão seria porque cada parte alega ser dono do terreno onde a família Santos mora e mantém o Centro Espírita Império dos Orixás.

O tenente afirma que os boletins de ocorrência foram registrados e que a situação está sendo acompanhada pelo major Alexandre Gontijo, responsável pela 7° Cia Independente, com sede em Igarapé. “A apuração ocorrerá na esfera comum (Polícia Civil) e se o major julgar que o militar (João Camargo) tem indícios de culpa poderá abrir investigação na justiça militar para investiga-lo”, comentou Jamicel. Ele ainda esclareceu que João Camargo não é militar reformado, mas da reserva podendo ser convocado pela corporação para voltar o trabalho caso seja necessário.

Por meio da assessoria de Imprensa da Polícia Civil, o Bhaz apurou que o inquérito para a apuração dos fatos foi instaurado pelo delegado Diego Nolasco e que investigações estão sendo feitas. A assessoria porém não informou se o militar João Camargo foi ouvido. A casa Espírita Império dos Orixás Nossa Senhora da Conceição e São Jorge Guerreiro funciona no local há sete anos e segundo os donos nunca teve problema com a vizinhança, uma vez que o local é cercado por mata.

O caso tem sido acompanhado pela defensora pública Júnia Roman Carvalho que atua na Defensoria Especializada em Direitos Humanos, Coletivos e Socioambientais (DPDH). Ela espera que a Polícia Civil possa esclarecer os fatos, já que as vítimas são obviamente perseguidas por serem pobres, negras e adeptas de uma religião de matriz africana, no caso a Umbanda. “O que nós apuramos é que fica claro a intolerância religiosa, e as agressões contra uma família. Eles (os agressores) entram no misto de intolerância de credo e também de um processo de grilagem em curso. Eles estão demonizando a religião da família como se esta fosse o mal. Precisamos esclarecer os fatos, dar uma resposta a esta família, pois há ameaça por parte do João Camargo que se identifica como policial militar de atear fogo na propriedade em 30 dias se eles não saírem do local”, comentou.

Júnia diz ainda que a Defensoria só entrou no caso porque houve falhas na condução por parte da Polícia Militar, uma vez que não houve registro de boletins de ocorrência e nem mesmo a instauração imediata do inquérito após os fatos relatados pela família. Ela também faz um alerta para o avanço de diversos tipos de intolerância nos dias atuais.

“Seja no campo religioso, nas questões LGBTQI, na censura presente nas escolas, nas artes é importante lembrar que isso é algo muito perigoso. Violação de direitos humanos não param em determinado grupo. Se eu hoje eles estão atacando determinado grupo, amanhã ela vão me atacar também. Mesmo que eu me silencie, eles também pode vir para o ataque. Desta forma é fundamental que estejamos atentos a este movimento e denunciemos qualquer tipo de violação de direitos”, completa a defensora.

A DELICADA RELAÇÃO ENTRE OS MÉDICOS E A MORTE

O médico lida das mais diversas formas com a morte. Do saudável amadurecimento e crescimento existencial ao chamado 'humor negro'


Alexandre A. Loch, Huffpost

É como todos falam, de uma coisa temos certeza: de nossa morte. Ela é inexorável. Por mais que ao longo dos tempos tenhamos tentado enganá-la, mais cedo ou mais tarde ela sempre vem, basta estarmos vivos.

Antibióticos, antimicóticos, antivirais, cirurgias, quimioterapia, radioterapia, próteses, vasodilatadores, antiarrítmicos, anti-hipertensivos, hipoglicemiantes, tudo para proteger-se dela. Mas não adianta, ela sempre estará à nossa espera. Por mais que o homem sonhe com a eternidade, a natureza se incumbe de garantir que tal ideia apenas seja um sonho.

Mas não dá para viver direito com essa perspectiva onisciente, sempre presente. Tocamos nossa vida então na ilusão da eternidade. Nossa obra, nossa história, o nosso ser hão de viver para além de nós mesmos. Na memória de quem ficou. No papel ou no pixel da foto. Na prateleira, no caderno, no armário.

Aquilo que fizemos, ou que de nós foi feito, ou que conosco se associa, uma blusa, uma camisa, um jeito, permanecem. Pois se absolutamente tudo acabar quando fechar os olhos para sempre, de que adiantará viver? Algo de nós tem de ficar. A existência corporal pára, mas a mnêmica continua, na cabeça dos outros.

E talvez seja esta a maior ilusão de nossa vida, e a que mais dá sentido a ela: a de que perseveraremos mesmo depois que nosso corpo parar. Pois para muitos, este é o real sentido de se estar vivo: o de fazer histórias para a posterioridade. O de vivermos um pouquinho depois de nossa morte, ainda que não seja no nosso próprio corpo. É o que muitas religiões oferecem como alento.

Mas algumas situações fazem que nos lembremos de que a eternidade é apenas um sonho. Em geral, estas notícias são trazidas pelos médicos: a doença grave, incurável, uma contagem regressiva dentro de você.

Todos nascemos já com essa contagem. O relógio começa a regredir no momento em que saímos do ventre da mãe. Mas o grande segredo da coisa é que não sabemos a quantas anda essa contagem. E também não queremos saber. Este segredo é o que nos permite sonhar com a eternidade.

Mas quando um outro aparece e nos comunica de que não passaremos de tantos meses, a sentença nos joga na dura realidade óbvia de que nosso corpo uma hora vai parar. Ou quando ela passa ao nosso lado, levando algum conhecido.

Mas os médicos não são só responsáveis por notícias ruins. Longe disso. São alguns dos principais agentes dessa crescente enganação da morte. No século 17, a expectativa de vida média de um inglês era de 35 anos; hoje gira em torno de 80. Mais do que dobrou ao longo dos séculos. Graças ao grande avanço da ciência, que se vê executada nas mãos de farmacêuticos, enfermeiros, médicos, fisioterapeutas e afins. Executada pelos governantes também ao promover políticas de saúde pública.

É um prazer, para o médico, ser agente das fantásticas inovações tecnológicas que tivemos nos últimos anos. Prazer este que, em algumas pessoas, trisca a soberba, mas que felizmente é compartilhado com o paciente na maioria das vezes, com a sua satisfação e melhora de sua saúde.

Essa satisfação, concedida ao médico, tem também seu preço a pagar. Estando ele a ludibriar a morte, também se faz esta última mais presente a ele. Não em tal intensidade como no caso da pessoa que sabe que sua contagem regressiva está a terminar.

O médico lida das mais diversas formas com ela. Do saudável amadurecimento e crescimento existencial ao humor negro e, algumas vezes, até à doença, principalmente as da psique. Mas é um peso que temos que processar.

Mito ou verdade? Médicos morrem mais que o cidadão médio? Mito. Morrem tanto e das mesmas maneiras que a população geral. Ao menos isso. Apesar do ofício de enganá-la, ela não se ressente e vem da mesma maneira que para todos os outros.

Mas enfim, chega de morte. Deixemos ela no canto dela, deixemos que ela venha quando a ela convier, e mergulhemos no nosso sonho de eternidade. Vivamos nossa vida, bola pra frente!

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

GRECA DESTACA ATENDIMENTO DE 52 MIL CRIANÇAS EM TEMPO INTEGRAL EM CURITIBA

O prefeito Rafael Greca destacou nesta quinta-feira, 9, a capacidade do atendimento em tempo integral oferecido pela rede municipal de ensino de Curitiba. “São mais de 52 mil crianças e adolescentes em tempo integral. Os dados representam cerca de 40% de todos os estudantes matriculados”, disse.

Segundo Greca, na educação infantil, 205 dos 206 centros municipais já oferecem o ensino integral para 30.700 crianças. “E no ensino fundamental, 89 das 185 escolas têm ensino em tempo integral e beneficiam aproximadamente 22 mil das 101 mil crianças matriculadas”, destacou Greca.

“Vamos manter o atendimento em tempo integral para as crianças que já frequentam as escolas e CMEIs. No caso das escolas, logo vamos cumprir a meta do Plano Nacional de Educação (PNE), previsto para o ano de 2020”, salientou ainda Greca.

Até 2020, segundo Greca, a oferta da educação em tempo integral deve ser de, no mínimo, 50% das escolas públicas e atender, pelo menos, 25% dos estudantes da educação básica. Para atingir este objetivo, explicou o prefeito Rafael Greca, são necessárias 93 escolas e 25 mil estudantes.

Atividades 

 Nas escolas municipais, os estudantes que frequentam o tempo ampliado têm práticas e vivências diversificadas, como música, dança, teatro, esportes, literatura, aulas de inglês, além de atividades lúdicas. “São oportunidades que enriquecem o aprendizado. Isso é formação integral do estudante”, disse Greca. Esta modalidade de ensino é oferecida na rede municipal há 27 anos.


Além das escolas em tempo integral, as Unidades de Educação Integral, sempre associadas às unidades escolares, também oferecem atividades. Atualmente, grande parte dos estudantes atendidos permanece nove horas diárias na escola. Eles têm o ensino regular num período e, no período contrário, participam de práticas educativas totalmente alinhadas com o currículo, conforme cada componente curricular.



As práticas são:

 Acompanhamento Pedagógico em Língua Portuguesa e em Matemática, Linguagem Artística, Movimento e Iniciação Esportiva, Educação Ambiental e Ciência e Tecnologia. No contraturno, os estudantes têm um professor de referência da prática e este professor recebe formação ao longo do ano para que o trabalho pedagógico cumpra a necessidade de cada estudante.

MUTIRÃO DA CIDADANIA DO TATUQUARA DEVE ATENDER 80 MIL MORADORES A PARTIR DESTA QUINTA-FEIRA,16

A Prefeitura de Curitiba e o Governo do Paraná promovem, a partir desta quinta-feira, 16, o Mutirão da Cidadania do Tatuquara. Serão oferecidos até o próximo sábado, na Rua da Cidadania do Tatuquara, diversos serviços públicos e gratuitos para os 80 mil moradores dos três bairros atendidos pela regional – Caximba, Campo do Santana e Tatuquara. No balanço geral dos mutirões promovidos este ano, já foram realizados mais de 120 mil atendimentos em três mutirões, organizados no Bairro Novo, Cajuru e CIC.

Para o prefeito Rafael Greca, esta é mais uma oportunidade para o poder público atender e oferecer serviços públicos de qualidade à população. “O sucesso dos três primeiros mutirões realizados até aqui consolida a importância desta parceria entre Governo do Estado e Prefeitura de Curitiba em prol dos moradores da nossa querida Curitiba”, disse Greca.

Atendimentos

 No Mutirão da Cidadania, o Instituto de Identificação dobra, em média, a capacidade de atendimento, registrada normalmente em 400 pessoas por dia na capital. O objetivo é suprir a alta demanda por emissão de carteiras de identidade. Na Regional do Tatuquara, o serviço vai funcionar, de hoje (quinta) até s com horário de estendido, distribuindo 500 senhas por dia na quinta e na sexta, e 400 no sábado 

Os moradores da regional também serão encaminhados para vagas de emprego, testes rápidos de sífilis, HIV e hepatites, além de feito o cadastro de estudantes para a rede pública ensino de Curitiba. 

Mais serviços 

 Outros serviços incluem o cadastro para recebimento do kit digital (de televisão), inscrição de animais domésticos para o Castramóvel, exposição de projetos de robótica, informações sobre alimentação saudável e de direitos de crianças, adolescentes e pessoas idosas, entre outros. O pré-teste de visão apoiado pelo Worktiba, muito procurado no Mutirão da CIC, também vai estar à disposição. A iniciativa é da Prevention Vision Teste, startup que funciona no coworking público da Prefeitura e faz parte do Vale do Pinhão.

Parceria de sucesso - Já as apresentações culturais passam por sertanejo, funk, teatro, capoeira e ballet, além da oferta de diversas oficinas e atividades de lazer.

“Estamos confiantes que o Mutirão da Cidadania do Tatuquara será mais um sucesso de público. A cada edição batemos o recorde de atendimento, o que mostra a qualidade e a importância dessa grande parceria entre Estado e Prefeitura”, disse Eduardo Pimentel, vice-prefeito e coordenador municipal do evento.

Expectativa - O administrador da Regional do Tatuquara, Jadir da Silva Lima, disse que o mutirão deve atingir a marca de 50 mil atendimentos nos três dias de evento.

“Vamos tornar muito claro para a população a utilidade da Rua da Cidadania, local onde poderão ser resolvidas quase todas as demandas, evitando o deslocamento do bairro até o centro da cidade”, destacou Lima. .

SERVIÇO

Local: Rua Olivardo Konoroski Bueno, s/n – Rua da Cidadania do Tatuquara.

Telefone: (41) 3265-419.

Atendimento

Quinta e sexta-feira, das 13h às 18h.

Sábado, das 9h às 17h.

O atendimento do Instituto de Identificação para carteiras de identidade começará às 9 horas todos os dias.

PROGRAMAÇÃO

ABASTECIMENTO

Orientação para alimentação saudável.

Orientação para cadastro no Programa Armazém da Família.

Orientação sobre Sacolão da Família.

Oficina de sucos e de aproveitamento integral de alimentos.

Orientação para plantio em pequenos espaços com vasos, latas e potes.

Orientação para alimentação saudável.

Degustação de alimentos.

AÇÃO SOCIAL E EMPREGO – FAS, SECRETARIA ESTADUAL DA FAMÍLIA, ASSESSORIA DE POLÍTICAS PARA MULHERES E SECRETARIA DE JUSTIÇA

Cadastro e encaminhamento para oportunidade de vagas de emprego pela Agencia Central do Estado.

Emissão de carteira de trabalho.

Sine Móvel: atendimento de pessoas com deficiência e reabilitados do INSS.

Agendamento de seguro desemprego.

Realização de cadastro único para participação em programas sociais.

Orientações sobre Direitos Humanos, Política do Trabalho e programas sociais.

Informações sobre direitos das crianças e adolescentes, das mulheres e das pessoas idosas.

Divulgação de Campanha “Dê preferência à pessoa idosa”.

Oficinas de pintura de rosto, bijuterias, mangá, origamis e artesanato.

Orientações e divulgação de serviços de proteção social.

Campanha contra abuso sexual infantil e de adolescentes.

Informações sobre passe livre para Pessoas com Deficiência.

Divulgação da Coleção “Paraná Incluso: Conhecendo a Pessoa com Deficiência”.

Atendimento do Centro de Referência e Atendimento a Mulher.

Ônibus Lilás de atendimento a mulheres.

Van da Familia Paranaense: informações relativas ao Programa Familia Paranaense.

Brinquedoteca.

Exposição de trabalhos dos grupos da FAS.

Oficina de artesanato.

Expresso Solidariedade da FAS.

Cadastro para kit digital (para TV) de famílias de baixa renda.

Coral e dança de idosos.

Exposição de fotos Anjos Solidários.

Informações e critérios de inserção referentes ao mundo do trabalho (Mobiliza).

Cadastro para kit digital (para TV) de famílias de baixa renda.

ADMINISTRAÇÃO REGIONAL

Atendimento ao público e cadastro de solicitação de serviços.

Corte de cabelo masculino e feminino em parceria com Instituto Embelleze (quinta e sexta) e com o Senac (sábado à tarde).

AGÊNCIA CURITIBA E FOMENTO PARANÁ

Atendimento ao público e cadastro de solicitação de serviços, como orientações contábeis para micro empreendedores individuais.

Informações sobre financiamentos de microcrédito (até R$ 10 mil na pessoa física e R$ 20 mil na pessoa jurídica).

Atualização de cadastro no Fomento Paraná.

Orientações a micro e pequenos empreendedores.

Consultoria para gestão de negócio.

Auxílio na emissão de alvará.

Dúvidas comerciais.

Pré-teste de visão (Startup Prevention Vision Test – Vale do Pinhão).

COHAB

Educação ambiental para habitações sociais, com orientação sobre como fazer horta, jardim e descarte correto do lixo. 

Orientação sobre regularização de contratos, repactuação de dívidas, inscrição e atualização para fila da Cohab.

Entrega de mais de 300 títulos de posse para moradores da região.


COPEL

Pedido de ligação nova.

Atualização cadastral na Copel.

Cadastro de tarifa social – Luz Fraterna.

Emissão de segunda via da fatura.

Pedido de religação de energia.

Orientações sobre uso seguro e eficiente de energia, com teatro palestras e distribuição de materiais informativos a crianças e pais. 

EDUCAÇÃO

Mostra projeto de robótica: Cyber Rex (Omar Sabbag), Alcateia (Caic Cândido Portinari).

Cadastramento de alunos para a rede pública.

Inscrição para exame de equivalência para Educação de Jovens e Adultos.

Apresentação dos programas Linhas do Conhecimento, Educação Profissional, Educação de Jovens e Adultos, do Centro Estadual de Capacitação em Artes Guido Viaro, Comunidade Escola, Mama Nenê, Seed Lab e Instituto Fundepar.

Exposição de trabalhos das escolas da região e de artesanato do Programa Comunidade Escola.

Pintura em rosto e gesso e artesanato.

Oficinas de desenho, fotografia, programação de robôs, animação e jogos digitais.

Jardins de Mel.

Apresentações de Dança Circular, Dança Contemporânea, Coral Guido Viaro e do Teatro “Outra Chance”.

ESPORTE E LAZER

Linha do Lazer, com jogos gigantes, tênis de mesa e brinquedos.

Fase regional dos Jogos das Escolas Públicas (Centro de Esporte e Lazer Santa Rita).

Avaliações físicas para enfrentamento da obesidade (Clube da Gente e Centro de Atividade Física).

Festival de futsal e natação do Programa Escola+Esporte=10 (EE10).

Passeio ciclístico – Pedala Tatuquara.

FUNDAÇÃO CULTURAL E SECRETARIA DE CULTURA

Apresentações musicais, teatrais e de dança.

Aulas experimentais do projeto Musicar.

Divulgação de cursos e ações projetos da FCC.

Coral Projeto Musicar (crianças do Cajuru).

Banda Lyra, Aline Morena Trio, Banda da Polícia Militar, Banda Novo Resgate.

MC Sche, MC 3D, rapper Paladino, Mixtape Champions.

Viola Quebrada, Alisson Brasil.

Ballet Magnificat!

Teatro do Detran.

Grupo de Capoeira – Mestre Esquiva.

Exposição "A Lua Foi ao Cinema", homenagem à Paulo Leminski feita por sua filha Estrela.


FINANÇAS E FAZENDA

Atendimento ao público e cadastro de solicitação de serviços, como parcelamento de dívidas do IPTU.

Informações e inscrições no programa Nota Paraná.

Informações sobre os tributos municipais, como IPTU, ISS e ITBI.

GUARDA MUNICIPAL, POLÍCIAS CIVIL E MILITAR

Emissão de Carteira de Identidade (com horário extendido).

Teatro de Fantoches da Guarda Municipal sobre segurança e bom uso da estrutura urbana.

Grupo de Operações com Cães.

Apresentação: Brigadas de incêndio nas escolas (educação).

Rondas da cavalaria da PM.

Confecção de boletim de ocorrência de perda e extravio de documentos.

Exposição de materiais táticos do Cope e do Tigre.

Palestra sobre prevenção às drogas.

Distribuição de materiais educativos sobre segurança pessoal, residencial e escolar.

MEIO AMBIENTE, INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANÁ E SANEPAR

Cadastramento de animais domésticos para o Castramóvel.

Distribuição de mudas.

Orientações sobre Tarifa Social da Sanepar.

Regularização de débitos e cadastro de clientes da Sanepar.

Orientações sobre saneamento básico e programa Trate Bem a Rede.

Palestras e demonstrações do ciclo da água no Ônibus EcoExpresso.

Regularização fundiária de áreas rurais no ITCG.

Mostra de rochas e outros minerais encontrados no Paraná.

Informações sobre geoturismo.

Exposição de objetos confeccionados com resíduos recicláveis, carrinho manual e elétrico de coleta de resíduos.

Trilha da biodiversidade.

Jogos gigantes sobre arborização e dicas ambientais.

PROCON

Orientação e distribuição de cartilhas sobre direitos do consumidor.

SAÚDE

Testagem rápida HIV, Sífilis e Hepatites virais.

Orientação sobre saúde da mulher e saúde reprodutiva.

Orientações sobre alimentação saudável, atividade física e tabagismo.

Orientações sobre a saúde do trabalhador.

Orientação sobre o uso do Aplicativo Saúde Já.

Orientação da Odontologia com uso do Odontomóvel.

Auriculoterapia (combate a problemas de saúde baseado no estímulo sensorial das orelhas).

Orientações sobre a Dengue e Segurança Alimentar.

Orientação/Cadastro para doação de orgãos, medula óssea e sangue.

Ouvidoria da Saúde (da secretaria estadual).

SETRAN E DETRAN

Atendimento para serviços como pedidos de sinalização de ruas, credencial de vagas especiais de estacionamento (idosos e deficientes), impressão de boletos de multas e protocolo de defesa contra infrações, cópias de documentos, solicitações para uso e bloqueio de vias e apoio de agentes para eventos.

Educação para o trânsito para crianças (Escola Pública de Trânsito).

Carteira de Habilitação e veículos.

Terminal de autoatendimento para consultas e pagamento de taxas.

Orientação sobre dispositivos de segurança e direção segura.

URBANISMO

Informações sobre as regras para edificações na cidade e de fiscalização, impressão de guia amarela (consulta para fins de alvará) e informações gerais (como construção de passeio, zoneamento e alvará comercial)