quarta-feira, 19 de outubro de 2016

MÍDIA MONTA CARNAVAL EM TORNO DA ''REDUÇÃO' DO PREÇO DA GASOLINA

Carnaval montado pela grande imprensa em torno da redução do preço da gasolina é do nível dos piores factoides criados na última década. Só mesmo uma enorme bolsa-mídia para sujeitar toda a imprensa a um ridículo dessa ordem

(Imagem: Pragmatismo Político)


Luis Nassif, GGN

É interessante contrapor o artigo do diretor de redação da Folha, Sérgio Dávila, sobre a pós-verdade com o carnaval montado pela imprensa em torno da redução do preço da gasolina. É do nível dos piores factoides montados na última década.

Se fosse para valer, a redução atropelaria todo o programa de ajuste da Petrobras, cujo endividamento cresceu justamente devido ao achatamento dos preços dos combustíveis.

Mas é um mero factoide.

Na prática significará uma redução de 0,05 ponto percentual na inflação anual. Ou seja, se a inflação prevista for de, digamos, 5,55%, a redução dos combustíveis a baixará para 5,5% – estatisticamente irrelevante.

Na bomba, a redução possivelmente nem será repassada ao consumidor final, tão ínfima que é. Aliás, com a alta nos preços internacionais do petróleo, qualquer norma de bom senso indicaria um reajuste para cima.

Em cima dessa falsa notícia, as manchetes dos jornais esmeram-se em divulgar as seguintes consequências:

1. Os jornais dizem que pela primeira vez em quase uma década, caem os preços da gasolina.

2. A redução dos preços ajudará o Banco Central a derrubar a Selic. Sem medo do ridículo.

3. O governo diz que, apesar do imenso alarido em torno da redução do preço do combustível, ele não precisará aumentar impostos para compensar esse estrondoso reajuste.

Só uma enorme bolsa-mídia para sujeitar toda a imprensa a um ridículo dessa ordem.

Nenhum comentário: