quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Senador condenado à prisão declara voto a favor do impeachment de Dilma

Primeiro senador condenado à prisão pelo Supremo Tribunal Federal (STF), Ivo Cassol (PP) declarou-se favorável ao impeachment de Dilma Rousseff. O parlamentar justificou seu posicionamento afirmando que a presidente deveria ter denunciado as chantagens de Eduardo Cunha muito antes

Ivo Cassol, empresário, pecuarista e Senador da República pelo PP-RO (reprodução)


Primeiro senador condenado à prisão pelo Supremo Tribunal Federal (STF), Ivo Cassol (PP-RO)usou a tribuna do Senado nesta terça-feira (30), em seu último pronunciamento antes do julgamento definitivo de Dilma Rousseff, para se defender das acusações a que responde na Justiça.

Atualmente Cassol recorre em liberdade da pena de quatro anos e oito meses, em regime semiaberto, e da multa de R$ 201 mil a que foi sentenciado em agosto de 2013.

Ao final de seu discurso, o ex-governador deRondônia declarou-se favorável ao impeachment deDilma. Justificou que ela deveria ter seguido seu exemplo no estado: quando foi vítima de chantagem por parte da Assembleia Legislativa de Rondônia, relatou o senador, denunciou todo o esquema decorrupção em questão.

 Para ele, Dilma deveria feito o mesmo em relação a Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ex-presidente da Câmara ameaçado de perder o mandato, e denunciado a noticiada chantagem do peemedebista a três petistas no Conselho de Ética na Câmara, com o objetivo de que eles o salvassem da cassação com seus votos. Nada feito, e Cunha deve enfrentar julgamento em plenário no próximo dia 12 de setembro.

“Acredito em Deus e na minha inocência”, disse Cassol. “Não houve desvio […], nunca neguei que estou sendo julgado, mas não me envergonho. Faria tudo de novo”, concluiu em discurso diante do presidente do Supremo, Ricardo Lewandowski, que conduz o julgamento do impeachment. O senador afirmou que, após as denúncias contra o Legislativo rondoniense, é obrigado a andar com seguranças 24 horas por dia e tem sido ameaçado, assim como sua família.

Segundo o julgamento no Supremo, Cassol direcionou licitações a cinco empresas de conhecidos na década de 1990, quando era prefeito de Rolim de Moura (RO). Atualmente, é o senador com mais pendências no Supremo: são dez ao todo. Além do recurso, é réu em duas ações penais (562 e 891) por calúnia e corrupção eleitoral. Cassol ainda é alvo de outros seis inquéritos (3158,2828, 3742, 3614, 3820 e 3961) por peculato, improbidade administrativa, falsidade ideológica, lavagem de dinheiro, corrupção passiva, contra o sistema financeiro e contra a Lei de Licitações.

Congresso em Foco

Nenhum comentário: