quinta-feira, 11 de agosto de 2016

REFERINDO-SE A TEMER, ATLETA DA VENEZUELA DIZ QUE 'NÃO VAI SAUDAR UM GOLPISTA'

Olimpíada: Atleta venezuelana diz que não vai saudar Michel Temer. “Passarei diretamente porque ele é um golpista, e os golpistas são antidemocráticos”, diz a esgrimista, que é admiradora de Pepe Mujica

Alejandra Benítez, atleta venezuelana (reprodução)


Rede Brasil Atual

Ex-ministra do Esporte no governo de Nicolás Maduro e ex-deputada pelo Partido Socialista Unido da Venezuela, a esgrimista Alejandra Benitez é um dos destaques da delegação venezuelana nos Jogos Olímpicos Rio 2016. Além das cores do seu país, ela também promete defender seus ideais como “política, mulher e de esquerda” e disse que não vai acenar ao presidente interino Michel Temer, durante a cerimônia de abertura, em protesto contra o golpe.

“Lamento porque pensava que ia passar pelo estádio e iria saudar a Dilma, como presidente da república. Mas agora há um golpista”, afirmou a esgrimista, em entrevista à Folha de S.Paulo ontem (1º). “Eu não vou saudá-lo, por exemplo, porque é um golpista. Não sei se todos os venezuelanos vão, mas eu não vou. Passarei diretamente porque ele é um golpista, e os golpistas são antidemocráticos. Eu sou pela democracia e pela justiça.”

A atleta, admiradora do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do senador José Pepe Mujica, ex-presidente do Uruguai, lamentou que “não tenha havido um apoio mais contundente à companheira Dilma”. Ela também ressaltou o caráter machista do golpe.

“É terrível o que vemos. Um golpe de estado que estão legalizando. Eu, como mulher, acredito que também foi um ato machista, algo patriarcal, contra a mulher. Na política, o homem acredita que deve se impor ante a mulher, e que ela não tem méritos por estar lá”, disse.

Ela afirmou que o preconceito contra a mulher está presente tanto na política quanto no esporte, e comparou: “Me incomoda. Dói, afeta, sim. Porque sou política, sou mulher e sou de esquerda. Aconteceu comigo também. No mundo dos dirigentes esportivos eles creem que os homens devem ter domínio absoluto e as mulheres só servem para acompanhá-los. Eu sigo na política, trabalhando no meu trabalho social, no partido socialista”.

Com três medalhas de prata conquistadas em Jogos Pan-Americanos, Alejandra Benitez participa pela quarta vez dos Jogos Olímpicos. Ela elogiou a hospitalidade dos brasileiros: “Quando chegamos ao Brasil, para nós, é como estar em casa. As pessoas são amáveis, querem ajudar em tudo. É um trato especial”.

Ela também afirmou que o apoio ao esporte continua sendo prioridade na Venezuela, considerado como ferramenta de inclusão social.

Nenhum comentário: