quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Deputada que militava “contra a corrupção” é afastada por desvio de R$ 31 milhões

Assídua defensora de Sergio Moro e Michel Temer, Celina Leão era presença frequente em marchas “contra a corrupção” e a favor do impeachment de Dilma Rousseff. A deputada acaba de ser afastada acusada de integrar esquema que desviou R$ 31 milhões dos cofres públicos

Celina Leão protestando contra a corrupção e a favor do impeachment (reprodução)


Revista Fórum

Policiais civis e promotores de Justiça deflagraram ontem (23) a Operação Dracon, que cumpriu mandados de busca e apreensão no gabinete da Presidência da Câmara Legislativa do Distrito Federale dos membros da Mesa Diretora. A ação incluiu a casa da presidente da CLDF, Celina Leão (PPS), e dos deputados Cristiano Araújo (PSD), Raimundo Ribeiro (PPS), Bispo Renato Andrade (PR) e Julio César (PRB).

A operação apura a prática de crimes de corrupção ativa, passiva ou concussão, em um esquema de pagamento de propina a parlamentares, que destinou R$ 31 milhões de sobras orçamentárias da Câmara às empresas que prestam serviços à Secretaria de Saúde do DF. Celina Leão e os demais envolvidos foram afastados do exercício de suas funções enquanto durarem as investigações.

A deputada é conhecida por fazer oposição ao governo de Dilma Rousseff e ao PT, e já foi vista em manifestações que se dizem “contra a corrupção”. “Tendo como principal alvo o ex-presidente Lula, aOperação Lava-Jato, comandada com seriedade, imparcialidade e brilhantismo pelo juiz Sérgio Moro prova que ninguém está acima das leis e da Constituição Federal”, divulgou em seu site oficial.

Defensora do impeachment de Dilma, Celina foi recebida pelo presidente interino Michel Temer em diferentes situações, para discutir a ampliação do poder das assembleias estaduais na criação de leis. “Ele apoiou e disse que é favorável a essa causa. Disse que vamos fazer uma grande marcha com os presidentes de assembleias do Brasil e com os deputados estaduais até o Congresso Nacional, em um segundo momento, para discutir a questão do nosso constitucionalismo”, disse à imprensa em uma das reuniões.

Nenhum comentário: