segunda-feira, 1 de agosto de 2016

A "facebooker" que fatura em cima de um esporte nacional: detonar o Brasil

Resignação travestida de revolta: detonar o Brasil, eximindo-se de qualquer responsabilidade pelos problemas do país e sem apresentar sugestões virou uma formidável fonte de renda

Marcela Tavares

Marcos Sacramento, DCM

Criador da expressão “complexo de vira-latas”, Nelson Rodrigues ficaria pasmo se ressuscitasse e visse como a baixa autoestima de alguns brasileiros se transformou em uma formidável fonte de renda.

Só isso explica a popularidade da comediante e youtuber Marcela Tavares, que muita gente só passou a conhecer após a repercussão do vídeo em que é nos EUA vaiada por criticar o Brasil.

Dona de uma página no Facebook com quase 2,5 milhões de seguidores e de um canal no Youtube, Marcela se exibe em vídeos capazes de deixar aqueles sujeitos “revoltados com tudo que está aí” com os olhos brilhando em êxtase.

Sobram críticas aos políticos, às corrupção, à tal crise econômica, ao preço da conta de luz e à presidente Dilma Rousseff, chamada por ela de “excelentíssima senhora presidente analfabeta funcional”.

Sua obsessão atual são os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, assunto de vários vídeos onde ela não economiza nos termos chulos. Um deles, com legenda em inglês, é um tutorial de sobrevivência para o turista que for ao evento.

Nele estão listados os velhos problemas do Rio de Janeiro e de muitas capitais brasileiras: transporte público deficiente, violência, poluição, as doenças provocadas pelo aedes aegypti e as dificuldades do SUS.

Embora muitas das queixas tenham fundamento, suas falas são rasteiras e só servem para seus fãs cultivarem a ideia de que não têm responsabilidade alguma pelos problemas do país. Ela aborda superficialmente as mazelas sociais mas não apresenta sugestões coerentes para resolvê-lasou informações novas que promovam algum tipo de debate. Tampouco diverte.

No máximo atua como porta-voz de uma legião insatisfeita e alucinada pelos seus olhos esbugalhados como os da Senhora Eduardo Cunha e o tom de voz imperioso no estilo Rachel Sheherazade.

A jornalista, a propósito, conseguiu fazer seu pé de meia depois que um vídeo onde ela destila sua revolta com o Carnaval caiu nas graças de Sílvio Santos.

Marcela Tavares tem tudo para traçar um caminho parecido. Lançou livro, viaja pelo país para fazerstand up comedy e tem dado entrevistas a programas de televisão.

Tem até potencial para conquistar o próprio programa, porque não falta gente complexada disposta a dar audiência a discursos de que “o país está uma merda e nada nessa terra funciona”, demonstrando uma resignação travestida de revolta.

Nenhum comentário: