sexta-feira, 29 de julho de 2016

Observações sobre a “esquerda brasileira ruim de internet”

Uma declaração feita recentemente parece ter repercutido pouco se comparada à gravidade do conteúdo: “a esquerda brasileira é ruim de internet”. A seguir, algumas considerações importantes sobre a afirmativa


Fran Alavina*, Outras Palavras

Uma declaração feita recentemente parece ter repercutido pouco se comparada à gravidade do conteúdo: “a esquerda brasileira é ruim de internet”. Alguns blogs progressistas e espaços de discussões da internet reverberaram a afirmação, em geral todos com a mesma tônica: aceitação. Mais do que uma afirmação ampla sobre a esquerda brasileira, a declaração se fez sentir como uma constatação ácida, apoiando-se em um sentimento difuso de uma culpa sabida, mas somente assumida após a acusação notória: sem meias palavras e sem contestação de autoridade. Tudo se passou como se de um veredito se tratasse, cuja culpabilidade aguardasse apenas a presença de um bom acusador. Uma vez tornada pública a acusação, a pena é o próprio reconhecimento da inabilidade imputada.

Ademais, as discussões que se seguiram após a afirmação rapidamente ficaram satisfeitas com o significado mais imediato da constatação. Isto é, renderam-se ao sentido mais aparente da afirmação: “a esquerda brasileira é ruim de internet”. Por isso, as reações operaram como se o enunciado não se fundamentasse em algo anteriormente já aceito. Ou seja, como se em virtude de uma suposta transparência total não houvessem pressupostos. Ora, mas esse posicionamento de render-se ao sentido mais imediato da afirmação não significa uma incapacidade ou miopia na compreensão e na interpretação da mesma. Pelo contrário, a não inquirição daquilo que está suposto reforçou a rapidez da aceitação, pois se é aceito o sentido mais imediato, é também porque se aceita o pressuposto, o implicitamente não dito. E qual é este pressuposto não dito, posto que já aceito previamente e incontestemente? Trata-se do propalado protagonismo da internet, do virtual como meio político adequado à esquerda e a outras lutas progressistas.

Tal é um dado sobre o qual, ingenuamente, parece não pairar nenhuma dúvida, ou resquício de negatividade. Uma naturalização do virtual, como tantas outras artificialidades que hoje facilmente se tornam naturais. Esta “natureza digital” não se trata somente dos usos da internet, mas sim da posição de centralidade que cada vez mais o virtual detém, de um protagonismo assumido sem contestações, de modo que se torna cada vez mais impossível pensar a luta política real sem o virtual. Já não se trata tanto do real que pode retroagir sobre o virtual, mas sim do virtual que retroagindo sobre o real, o desbanca ao se mostrar portador de uma infinidade de possibilidades ante uma realidade cada vez mais labirinticamente asfixiante.

Os atos, talvez este seja o exemplo mais loquaz, já não podem acontecer se antes não forem eventoscriados e divulgados nas redes sociais. O sucesso dos atos reais depende, cada vez mais, do modo como o evento faz sucesso anteriormente no mundo virtual. Alguns atos são erroneamente taxados de “espontâneos” quando não são encabeçados por um grupo ou movimento, porém como poderiam ser de fato espontâneos se sua realização demanda uma mínima organicidade previamente feita no virtual? Como são espontâneos se demandam um meio previamente estabelecido, isto é, o virtual? Aí está um dos traços da naturalização do virtual, serem tratados como espontâneos. Tais eventos-atosexistem antes de tudo no mundo virtual, uma precedência ante o real que diz muito sobre o modo como o político e o virtual se imbricam sem que por parte da esquerda se faça um exercício teórico mais acurado sobre as consequências de tal imbricação. Logo, este protagonismo do virtual corre o risco de ser uma realidade mistificadora fundada em uma consciência ingênua.

Desse modo, em vista deste protagonismo da internet, a esquerda brasileira é taxada. Sua culpabilidade não reside em uma visão teórica pobre, ou por possuir bases fracas, nem por ter uma militância pouco aguerrida, mas tão somente por ser “ruim de internet”. Por conseguinte, a internet é o divisor entre a “boa esquerda” e a “ruim esquerda”. Estamos, portanto, em um momento no qual as determinações que qualificam ou desqualificam o campo político à esquerda não são imanentes e frutos de um esforço teórico-prático de autoderteminação. Em outros termos, os princípios qualitativos que podem aferir a capacidade de realização da esquerda não são forjados intrinsecamente, em seu próprio âmbito, mas são trazidos de fora, em uma naturalização de uma realidade tecnológica.

Também não por mera coincidência a crítica da “esquerda ruim de internet” é feita no quadro mais amplo de recusa da forma política partido. A militância virtual é o correspondente exato da negação da forma partidopolítico em favor dos movimentos. Identificando-se nos partidos as improdutivas relações verticalizadas, a militância virtual corresponde à horizontalidade das relações no interior dos novos movimentos insurgentes. Porém, como nos lembra Daniel Bensaïd, “(…) a dissolução dos partidos no movimento social significaria um inquietante enfraquecimento da política”

É impossível negar que a internet possa ser usada como instrumento político e lugar de visibilidade das lutas das esquerdas, uma vez que atualmente parece não haver outro lugar de visibilidade senão o virtual. Todavia, uma indagação dever ser feita: o que a internet e suas redes sociais oferecem não podem ser danosos à esquerda? É bem verdade que se encontra facilmente toda uma argumentação crítica da esquerda contra os impérios midiáticos e os efeitos danosos do conluio entre o poder econômico-político e as mídias (rádios, tvs e jornalões). Âmbito crítico que se expressa naquela frase bem conhecida: “a revolução não será televisionada”. Esta afirmação não deixou de ser verdadeira, contudo para uma boa parte da esquerda se a revolução não pode ser televisionada, ao menos poderá ser anunciada, propagandeada e transmitida pela internet. Tal se pode aferir pelo modo como a internet vai ganhando cada vez mais a centralidade do discurso.

Sobre esta pergunta que quase nunca aparece (acerca dos possíveis efeitos danosos para a esquerda da “naturalização digital”) podemos abrir algumas vias de explicitação, não tanto de resposta à pergunta, mas sobre o porquê desta indagação não ser feita. Em primeiro lugar, tratar-se-ia de considerar o virtual como uma espécie de campo de batalha das ideias, que a priorisendo neutro, isto é, nem de “esquerda”, nem de “direita”, ganhará a “batalha das ideias” aquele lado que conseguir maior visibilidade, ocupando os espaços, se comunicando melhor.

Ora, mas esta visibilidade implica que os discursos se adequem às formas de visibilidade da internet. Esta adequação torna-se subordinação, pois a permanência da visibilidade no virtual implica que se opere segundo ummodus operandi previamente estabelecido. Por conseguinte, a visibilidade política não é mais que a visibilidade virtual. Este comunicar-se melhorimplica que, na imensa maioria das vezes, os discursos não sejam apenas simples, mas simplórios. Que possam ser consumidos rapidamente, diminuindo grandemente o nível de problematização, redundando em um debate fraco de conteúdo, porém forte de caricaturas. Desse modo, ocorre um rebaixamento de um discurso que guarda em si uma verdade histórica e uma crítica do presente. Mas poderia a esquerda se desfazer de sua verdade histórica e da crítica do presente ao naturalizar um âmbito eivado de determinidades histórico-sociais?

A “esquerda boa de internet” pode desaguar no empreendedorismo da imagem, caindo em um aspecto da lógica neoliberal que tanto se esforça por combater. Neste caso, não se trataria de usar as “armas do inimigo”, pois a internet não é concebida como parte do arsenal “inimigo”, como já dissemos, posto que se supõe um espaço livre de qualquer tipo de determinação, um ente metafísico puro, que causa a si mesmo, tal como olivre mercado.

Também se verifica um deslizamento vocabular, um desaparecimento do léxico próprio das esquerdas por meio do qual é possível constituir uma linguagem comum das resistências. Certamente que esse léxico comum não pode ser constituído pela linguagem empobrecida das redes: midiatizada, feita para circulação e consumo de bens simbólicos. Portanto, inexpressiva para abarcar as contradições de nosso tempo histórico. Sem historicidade, se finda qualquer aspiração à verdade enquanto ponto essencial de legitimidade política. Porém, pode haver esquerda sem verdade histórica comum a ser resguardada?

Não se trata de uma simples crise dos critérios do que possa ser considerado veraz, mas da renúncia à própria ideia de verdade. A estratégia de sedução que concretiza a expansão do virtual não é mudar os critérios de veracidade, não é estabelecer uma nova ideia de verdade, mas trata-se da própria recusa da verdade. Não havendo mais necessidade de verdade, ao virtual não pode ser mais imputada ou remetida uma ideia de falsidade, mesmo que a seu favor. Tal recusa à verdade, pode ser considerada além de estratégica, o fundamento último da proposição de que o virtual não é o oposto do real (cujo defensor mais loquaz é Pierre Lèvy), de modo que a correspondência opositiva entrevirtual-falso x real-verdadeiro torna-se não apenas inapropriada, mas também inexistente. Sem ideia de verdade, qual o sentido de existência do falso? Sem este par opositivo essencial, o caminho para a homologação sem resistência e irredutibilidade está completamente pavimentado. A abdicação da aspiração à verdade também é abdicação de um princípio de realidade forte, uma vez que não há mais o par correspondente real-verdadeiro.

O virtual se quer a-histórico, pois seu tempo é sempre o presente. Ademais, retira a memória das capacidades do sujeito: não é isto que ofacebook faz ao propor aos seus usuários suas próprias recordações? Sem ideia de futuro e de passado, imerso em um presente que é fluxo contínuo de informações, o conhecimento e propagação de qualquer verdade histórica capaz de estabelecer os parâmetros de uma crítica do presente se desfaz se nem ao menos antes ter existindo.

Com efeito, cumpre aqui chegar ao fio da meada. Este modo de operação do virtual oferece em seu âmbito aquilo de mais essencial que o discursopós-moderno congrega: a redução do horizonte histórico feito através da crítica das meta-narrativas; a recusa de um princípio de verdade em troca da equivalência das interpretações; e por fim, porém com o mesmo grau de importância, o rebaixamento das grandes tentativas de compreensão por meio da negação de toda explicitação totalizante.

Assim, é no espaço cedido pela razão que se deixou amofinar, não podendo mais aspirar à verdade, nem tampouco dizer o que é o real em sua totalidade, portanto impedida de pensar um futuro diferente do presente, que os discursos eivados de passionalidades se alastram, em um caldo de sentimentalismos rasos nos quais diminutas subjetividades se afogam. Uma vez que a razão está para o universal, como o passional está para o particular. Essa marca de “pura paixão”, de emotividade sem razão histórica se expressa, por exemplo, nos modo como se constituem e se denominam muitos movimentos sociais. Se antes os nomes dos partidos eram denotados por substantivos que circunscreviam classes sociais delimitadas (trabalhadores, operários), com os mais novos movimentos contestatórios tal é substituído pela centralidade dos vínculos sentimentais ou de territorialidade parcelar, como foi o caso do movimento dos indignados e do occupy wall street.

Isto posto, torna-se patente que não precisa ser um leitor de Vattimo ou Lyotard para aderir à pós-modernidade. A adesão se dá todas as vezes que entramos em nossas redes sociais, todas as vezes que acomodados, em um tipo de auto-engano coletivo, pensamos ingenuamente que a internet é um território neutro, vazio de determinidades, completamente livre, onde aqueles que são “bons de internet” vencem por seus próprios méritos, livremente, sem rebaixar-se a nada, em uma espécie de autodeterminação individualista, mas heróica: nada poderia estar mais próximo da forma de meritocracia neoliberal, no qual o meio não pode ser reclamado como elemento mais determinante na ocorrência das realizações. A abolição da história feita teoricamente pela pós-modernidade é realizada sociamente pelo virtual. Verifica-se que não há uma politização da internet, mas sim uma despolitização do político.

Talvez este seja o maior prejuízo para a esquerda a fim de garantir lugar de durabilidade no mundo virtual, mesmo para àquela parcela da esquerda que flerta, às vezes como em namoro de portão, com o discurso pós-moderno, renunciando à verdade histórica forte, e pressupondo que toda explicação totalizante é totalitária. Ora, mas quem recusa a verdade como princípio determinante da crítica do presente em longo prazo se mostrará incapaz de apresentar alternativas, tateando entre a certeza daquilo que não quer e a incerteza do que quer.

Quando o presente torna-se a timeline da rede social, nem ao menos podemos dizer que algo de sólido se desmanchou no ar, pois antes não havia nada de sólido, mas tão somente visibilidades de virtualidades. Pensar que de uma ocupação massiva dos espaços virtuais só podem advir ganhos, e sempre, além de falho, é ingênuo.

A “esquerda ruim de internet” não é tanto aquela que perde espaços para a direita no mundo virtual, que não consegue figurar nos trendig topics, mas sim aquela esquerda que abre mão de problematizar os efeitos danosos danaturalização do virtual, que é incapaz de criar sua própria visibilidade política, a esquerda que colabora com a “anemia histórica” ao deslocar o protagonismo e a realidade das lutas histórico-sociais para o virtual. Se a revolução não será televisionada, também não ocorrerá pelo mero sucesso da militância virtual. Uma esquerda mais virtual que real, talvez seja o que de mais benéfico possa acontecer ao capital, pois é primordialmente pela direção do capital que a internet opera.

*Fran Alavina é Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da USP. Mestre em Estética e Filosofia da Arte pela Universidade Federal de Ouro Preto, UFOP

Nenhum comentário: