quarta-feira, 8 de junho de 2016

ISTITUTO DIZ QUE A FÍSICA QUÂNTICA É INSTRUMENTO DE DENOMINAÇÃO MARXISTA

O Instituto Liberal, que tem entre seus membros mais ilustres o economista Rodrigo Constantino, denuncia a física quântica como instrumento marxista



Jornal GGN

O Instituto Liberal, que tem entre seus membros mais ilustres o economista Rodrigo Constantino, acaba de denunciar a física quântica como instrumento de dominação marxista.

No artigo “A complicação como método ideológico” (http://migre.me/tZaOm) o autor diz que ” a Verdade está sempre associada à luz, ao desatar de nós e à contemplação imparcial”.

No entanto, “a marca histórica da esquerda é a falta de clareza. Claro, pois para justificar um sistema de crenças que não funciona, é esperado que as assertivas não pudessem ser facilmente analisadas ou refutadas, esperando-se do discípulo apenas a fé no que o mestre diz”.

O autor lista como “disciplinas típicas da esquerda” a Sociologia e a História. Para ele, a filosofia, como ciência, visou “implantar o socialista, associado à ideia marxista (…) (dizimando) os sistemas de crenças concorrentes”, como o Cristianismo e a ideia de Verdade.

Da Filosofia, o autor apontou seu dedo acusador para a Física.

Sobram bordoadas na física newtoniana, que “é, para quem quer confundir, excessivamente exata, matemática e previsível. São objetos em movimento no universo, seguindo leis já mapeadas”.

Mas a borduna se volta, mesmo é para a física quântica que, “através de extrapolações indevidas de descobertas de cientistas como Einstein, Heisenberg, Schrödinger, Planck e outros, ganhou a fama de ser o ramo científico onde “tudo pode”. Estar em dois lugares ao mesmo tempo, ser e não ser, teletransporte, telepatia, o mundo como um sonho, o nada que é tudo, enfim, uma espécie de “liberou geral” da ciência, contrário à física newtoniana, e que certamente não seria autorizado pelos físicos quânticos, os quais eram sérios”.

E aí, a grande constatação: Por que o interesse da esquerda na física quântica?

E explica: “Porque “harmoniza” com o uso de drogas, com a ideia de que o indivíduo é uma ilusão, criando uma justificativa racional para a irresponsabilidade e o ateísmo. Ambos os resultados bem úteis e “capitalizados” pelo movimento revolucionário”.

Nenhum comentário: