quinta-feira, 5 de maio de 2016

MARTA SUPLICY É MAIS UMA VEZ VAIADA POR SEUS NOVOS ALIADOS

                         Marta Suplicy em discurso no 1o de maio da Força Sindical

Jose Cassio, DCM

Sem poder contar com Eduardo Cunha, seu parceiro no golpe, já que não havia clima para a presença do presidente da Câmara dos Deputados no evento, Paulinho Pereira teve de se virar nos 30 para dar conta de animar o ato político que marcou a Festa dos Trabalhadores da Força Sindical, neste domingo, 1/05.

Para não dizer que houve falta de empatia com os 50 mil trabalhadores presentes (organizadores falaram em 500 mil), dois momentos proporcionaram alguma graça ao evento: as vaias durante o discurso da senadora Marta Suplicy (PMDB) e as gargalhadas da plateia com a performance do humorista Carioca, do Pânico, fantasiado de Dilma do Chef.

No mais, a Festa dos Trabalhadores da Força trouxe meia dúzia de deputados de segundo escalão – a estela do dia foi Bruno Araújo (PSDB-PE), autor do voto 342 na sessão de 17 abril que selou a autorização para ter prosseguimento no Senado o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff – e a peonada de sempre.

O governador Geraldo Alckmin chegou a confirmar presença mas desistiu de última hora.

Marta minimizou as vaias.

— Faz parte, estou acostumada, disse ela. Sempre participei do ato da CUT, agora estou aqui. É normal que eles contestem.

Perguntei a ela que sentimento guardava do PT.

Antes de responder, pegou no meu crachá e conferiu nome e o veículo para o qual eu estava fazendo a cobertura.

— Não vim aqui para falar mal do PT.

— Não estou pedindo para você falar mal do PT, insisti. Quero saber que tipo de sentimento ficou após tantos anos de convivência.

A senadora sorriu antes de ir embora.

— Eu já respondi.

Sobre um eventual governo Temer, Marta cometeu pelo menos um ato falho.

Foi quando falou sobre a necessidade de um acordo entre trabalhadores e empresários para criar as medidas necessárias para tirar o país da recessão.

— Ninguém vai poder passar por cima da classe trabalhadora, disse ela, demonstrando ter consciência de que o setor empresarial vai tentar aproveitar o período Temer na presidência para garantir a flexibilização das leis trabalhistas.

Sobre este assunto, o vice-presidente da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), José Avelino Pereira, o Chimelo, foi taxativo.

— Já nos reunimos com Michel Temer e o recado foi claro: não mexa com os direitos trabalhistas.

Segundo o sindicalista, se houver qualquer iniciativa neste sentido a resposta será nas ruas.

— Não vamos aceitar a mudança da Lei nem o retrocesso da política de valorização do salário mínimo, disse ele.

Chimelo, no entanto, aceita debater propostas sobre a terceirização do trabalho.

— A terceirização pode ocorrer desde que na atividade meio, não fim, comentou.

Segundo Chimelo, numa fábrica seria possível terceirizar serviços de limpeza, segurança e alimentação, por exemplo, desde que se mantenham garantidos os direitos dos trabalhadores envolvidos com o produto final.

— Com esses não se pode mexer, explicou o vice-presidente da CSB.

Sem entender nem a metade do que está ocorrendo no país, o público que prestigiou a Festa da Força estava mesmo é à espera do sorteio de 19 carros zero quilômetros.

— Você é a favor da saída da Dilma ou entende que o que está ocorrendo no país é um golpe contra a democracia e o estado de direito?

Essa foi a pergunta que fiz ao eletricista André Luiz, que foi ao evento com a mulher, Sheila, e duas filhas pequenas, Andressa e Ana Clara.

— A Dilma vai sair e não vai mudar nada, disse André. Golpe eles dão todos os dias contra nós, os trabalhadores. O Temer tem uma folha corrida de envergonhar qualquer um. O Eduardo Cunha é um notório corrupto. O Renan Calheiros. E que dizer dos juízes do STF que acabam de aumentar os próprios salários?

— E o que trouxe vocês aqui?, eu perguntei.

— Viemos para nos divertir um pouco, tirar as crianças de casa e, quem sabe, a sorte grande no sorteio. Nem os shows nós curtimos muito.

Enquanto a festa da Força ia chegando ao fim, já na volta pra casa liguei para o Zé Maria, presidente do PSTU que pela primeira vez organizou, na avenida Paulista, ato solo em comemoração ao Dia dos Trabalhadores.

— Como estão as coisas por aí, Zé Maria?

— Foi um ato grande, JC. Penso que conseguimos consolidar uma terceira via entre os defensores do Temer, que pedem o impeachment, e os governistas que buscam a manutenção da Dilma.

— E agora, qual o próximo passo?

— Temos reunião na segunda e não vamos desistir da greve geral e do chamamento de novas eleições.

O Domingo do Trabalhador, na praça Campo de Bagatelle e na avenida Paulista, foi de incerteza e descrença no Brasil do passado e do futuro.

Marta disse que em 10 dias vamos ver uma luz no fim do túnel. A resposta que teve do público foi uma sonora vaia.

Nenhum comentário: